4 coisas que aprendi fazendo o que gosto

smeb_to_250116_branson44_to

Fiz um vídeo recentemente, respondendo o comentário da Ana Santos, onde ela dizia que não gostava do trabalho dela.
O que fiz, neste vídeo foi mostrar diferentes pontos de vista para a mesma situação. Não resolve, mas melhora.
Se você não assistiu ainda, dá o play!

Hoje, quero mostrar 5 coisas que aprendi por fazer o que gosto.

1. Meu limite aumentou
Por já ter feito coisas que não gostava e por ter trabalhado em empresas que não me satisfaziam, hoje percebi que situações que antes me estressavam ou me tiravam a paz, já não me incomodam mais. Meu limite aumentou.
É muito importante ter a consciência de que, mesmo fazendo o que gosto, coisas chatas acontecem. Nem tudo é legal. Alguns processos podem ser cansativos.
Mas, experiências ruins anteriores somados à realização de fazer o que gosto, me ajudam a lidar com mais facilidade.

2. Trabalho mais intensamente
Eu amo o que faço, isso é real. Não é discurso pronto. Eu elaboro e dou treinamentos e, pra mim, sinto que faz parte da minha missão neste mundo: fornecer ferramentas que colabores com o  crescimento e desenvolvimento das pessoas.
Fazer o que gosto me permite mergulhar de cabeça em tudo o que envolve meu trabalho porque eu “me permito me cansar”, me permito ousar, me permito pensar no meu trabalho mesmo quando estou em casa, porque é tão prazeroso e está tão dentro da minha missão de vida, que tudo é inspiração, tudo é ideia.
Quando elaboro um treinamento ou uma ideia, é tão prazeroso e libertador que, fazer de forma excelente não é uma obrigação, é consequência.

3. Penso no meu trabalho o tempo todo
Este ponto está atrelado diretamente ao ponto anterior.
Quando estou nos meus momentos de ócio em um fim de semana, em casa, e tenho ideias, não é só o Dica pra Hoje que sai beneficiado. Muitas ideias inovadoras para o meu trabalho saíram dentro da minha casa. No aconchega da minha cama rsrs
Lembrando que, pra mim, não é um peso pensar em trabalho porque pra mim é uma fonte de prazer.

4. Meu trabalho me traz prazer
Quando eu dava aulas em uma escola eu amava dar aulas e me sentia muito realizada, até perceber que não me sentia mais. rs
Acabei percebendo que não me supria. Ainda não era exatamente o que eu esperava.
Depois de 1 ano na empresa que estou, tenho esta certeza dentro de mim que dar palestras e treinamentos não só me satisfazem, como me dão prazer, energia, alegria e realização.
A única coisa que me incomoda é o horário fixo rsrs (nem tudo é perfeito), percebi que gosto mais de ser “dona dos meus horários e da minha rotina”, mas trabalhar em empresa é assim mesmo, faz parte.
Ainda assim, mesmo cansada ou com preguiça, quando “piso no palco”, tudo vai embora e me entrego ao treinamento ministrado.

Meu objetivo com este post é te incentivar a buscar sua realização profissional e perceber quantos benefícios incríveis você pode ter, simplesmente por trabalhar fazendo algo que te dá prazer.
Se você hoje não está nesta situação, procure. Entregue currículos, conheça pessoas, continue se especializando e se preparando para quando a oportunidade vier.
Vale a pena!😉

Um abraço

Armário Capsula|Minimalismo

O Instagram do Dica pra Hoje está no ar e está lindo!

Depois de algum tempo pesquisando vários perfis e tentando encontrar o estilo do Dica, encontrei exatamente o que eu estava procurando e agora já está disponível para vocês.

Uma das coisas que me incomodava é que, na verdade, não haviam dicas no insta. Eu estava perdida entre coisas sobre mim e sobre o blog. Que dicas eu daria? Repetiria o que já está nas outras redes sociais? Tornaria completamente pessoal?
Sempre quis que em cada uma das mídias vocês encontrassem um conteúdo diferenciado, e finalmente consegui!
Estou tão feliz!🙂

Então quero te convidar a seguir @blogdicaprahoje e não perder mais nenhum conteúdo! Se você é uma pessoa mais ligada em fotos e imagens irá se identificar! Vale a pena!

Um dos diferenciais é que já comecei a compartilhar por lá meu “armário cápsula“. Sabe o que é isso?
É um armário compacto, contendo somente as peças realmente usadas e que todas elas se combinem entre si para que você não tenha alguma roupa parada, simplesmente porque comprou sem pensar nas possibilidades de uso.

Desta forma você pensa melhor nas compras futuras. Não só na usabilidade quanto na qualidade. Dentro disto, abordaremos temas como fast-fashion slow-fashion, sustentabilidade, trabalho escravo, etc.
Espero que goste de acompanhar.

Como eu já disse anteriormente, vou tentar mesclar o tema minimalismo entre o blog e o canal também. Dependendo do que for falar, vejo qual seria a melhor forma de abordar o assunto, pode ser?😉

Já existem vários vídeos e posts sobre armário capsula, mas eu quero mostrar pra vocês esta mudança no meu próprio guarda-roupa, até porque tenho pensado em definir meu estilo de roupa a fim de passar a imagem que quero.

Veja algumas imagens de armário cápsula para se inspirar e, quem sabe, começar a montar o seu e acompanhe os posts sobre o assunto para saber mais detalhes!

 

Você já leu o último post sobre Minimalismo, aqui no Dica pra Hoje?
Então clique aqui!

 

 

E começa a semana…

Penúltima semana de agosto e este mês me trouxe muitas novidades.
Já contei pra vocês em um vídeo, o Falando de Boca Cheia, assista aqui:

 

Agora estou correndo atrás de caixas e de compradores para as minhas coisas rsrs
Graças a Deus já estou conseguindo vender muita coisa!

Eu disse algumas vezes, nas redes sociais, que estou bem tranquila e quero que vocês fiquem tranquilos também. Ninguém será prejudicado. Nem eu e muito menos vocês, certo?

Acreditem, mas neste fim de semana me bateu uma preguiça, mas uma preguiça, que não adiantei nenhum vídeo para esta semana. Gravarei, provavelmente alguns na segunda e outros da quinta.

Também nesta semana vou fazer marmita porque preciso terminar com tudo que está na minha geladeira…ela já foi vendida rsrs
Não tenho um cardápio da semana inteira, só tenho o de segunda.
As batatas recheadas ficaram tão boas que vou repetir, mas desta vez um pouco diferente. Eu havia feito com peito de peru, agora vou trocar por carne moída. Hummm rs

Estou tomando os meus 4 remédios religiosamente porque tenho melhorado e não quero correr o risco de voltar  ficar mal como eu estava. São dois sprays pro nariz, um comprimido e um xarope. Bota remédio nisso! rsrs Um deles preciso usar por 60 dias! 60 dias! Fala sério!!!

Pra esta semana, na verdade, para as próximas semanas separei temas bem interessantes e teremos uma novidade! Estou trabalhando pra isso e espero que dê certo!

O que vai mais ocupar meu tempo será encaixotar tudo e organizar a mudança. Vocês sabem como é, né?!

E para quem estava com saudades de me ouvir falar sobre dinheiro, pode apertar o play porque falei no vídeo de ontem!

Minimalismo da mente

Eu escrevi alguns posts sobre o assunto aqui no blog a pedido de vocês e deu muito certo porque percebi que muitas pessoas estão buscando o assunto.
Hoje, quero falar sobre Minimalismo da mente.

Pra falar a verdade nem sei se existe uma linha de estudo sobre o minimalismo da mente. Se não houver, anotem aí que fui eu quem começou! rs
É que eu sei que minha vida é minimalista. Não sou do tipo de pessoa que tem muitas coisas, não gosto de ter muitas coisas, não me sinto bem quando vejo que tenho muito, me sinto bagunçada.

Ter poucas coisas, na verdade, sempre me trouxe benefícios. 

Eu aprendi a ter pouco quando participei de um trabalho voluntário. Quando fui viajar tinha um limite de peso para viver cerca de 3 anos fora. E, no aeroporto, ainda tive que restringir tudo em 1 mala apenas, porque houve um problema com a companhia aérea.
Depois, tive de aprender a me contextualizar. Pois vivi em um país africano onde eu tinha mais do que as pessoas que moravam na comunidade em que eu morava.
Vi que os moradores tinham no máximo 3 conjuntos de roupas e eu tinha tantas que nem precisaria repetir roupas na semana.

Sempre fui muito desapegada. Sempre doei minhas coisas com muita facilidade.
Mas nunca parei pra pensar no propósito das coisas.
O “material” é tão mais fácil, mas na verdade é um reflexo do que está acontecendo por dentro.

Não adianta eu começar a doar tudo, me desfazer de tudo, vender um monte de coisas que estão sobrando, porque se nossa mente não for minimalista, com o tempo passaremos a pegar tudo de volta.
Daremos a desculpa de que precisamos de outras coisas, de que agora que tem mais espaço precisamos de outros detalhes, e assim por diante.

Nossa mente precisa entender que precisamos ter o que precisamos e que somos felizes pelo que somos e não pelo que temos.
Muitos dos conflitos sobre o “ter” começam na mente porque as “coisas” são uma extensão do que queremos reafirmar que somos.

Se estamos satisfeitos conosco, por dentro, saberemos exatamente o que precisamos no nosso armário, na nossa bolsa, na nossa casa, na nossa estante, etc.

Ouso dizer que o minimalismo deve começar através de uma análise interna. Assim será até mais fácil decidir o que vai, o que fica e o que virá.

O que você acha sobre isso?

Se nossa mente não for minimalista, com o tempo passaremos a pegar tudo de volta.

 

Histórias pra contar: Rísia, minha mãe. Criar os filhos sozinha e bem, é possível.

maeMeu nome é Rísia Maria, tenho 64 anos, tenho 3 filhas e estou viúva há 27 anos

 

Escolhi a senhora para este mês por ser o “mês dos pais”, para isto, conte um pouco sobre antes disto. A senhora sempre se imaginou tendo filhos? Era um sonho ou simplesmente aconteceu?

Sempre estive rodeada de crianças: meus sobrinhos (fui tia aos 12 anos), as crianças da vizinhança e ainda solteira fui diretora de um Lar de meninos. Meu pensamento era que se não casasse até completar 30 anos, adotaria uma criança.

Logo que ficou viúva, quais foram as primeiras preocupações que vieram à sua mente?

Casei em setembro de 1979, tive 3 filhas. Meu marido e eu estruturamos nossas vidas e nossos horários de trabalho de modo que na ausência de um o outro estaria presente e cuidaria de nossas preciosas meninas. Em fevereiro de 1989, meu mundo desabou com a partida do meu marido. Empenhei-me em não permitir que o mundo de minhas filhas também desabasse e minimizar tanto quanto fosse possível o sofrimento delas.

Por que a senhora não se casou novamente?

Se passou pela minha vida alguém que valesse a pena, não vi. Por isso não me casei.

Ser mãe solteira/viúva não é fácil, quais foram/são os maiores desafios?

Foram muitas as dificuldades: desde a falta de alguém  para “trocar ideias”, dividir responsabilidade e compartilhar alegrias e tristezas; até ter que fazer trabalhos e tratar de assuntos que considero masculinos e me desgastaram emocionalmente.

O que é ser mãe? Como é ser mãe da Mônica, da Elaine e da Joyce?

Ser mãe é ter o coração nos olhos quando o filho (a) está diante de ti, é ter o coração na boca quando pronuncia a palavra filha(o), é ter nos filhos seu calcanhar de Aquiles, é a todo momento entregar nas mãos de Deus, em oração, o filho que não cabe mais em seus braços, ou que suas mãos não alcançam.
Ser mãe da Mônica, Elaine e Joyce é a razão da minha vida.

Hoje em dia, muitas mulheres não querem mais ter filhos por causa do mundo que estamos vivendo. O que a senhora acha sobre isto?

Vivemos numa geração que tem muito conhecimento e pouca maturidade, onde o homem tem abandonado Deus e criado para si deuses semelhantes a si. Ao abandonarem Deus jogam fora seus princípios para a família e a vida em sociedade  fazendo desta aldeia global um lugar de violência, promiscuidade e famílias destruídas ou mal construídas, contudo se nos voltarmos para Deus e para a sua Palavra encontraremos abrigo, direção, sabedoria  e toda a provisão que precisamos para vivermos como luz num mundo em trevas e encaminharmos nossos filhos.

Quais as dicas ou conselhos que você pode dar para as mães solteiras jovens, aquelas que ainda estão grávidas e tem este novo desafio?

Recebi dos meus pais a mais valiosa herança: o ensinamento da Palavra de Deus. Conheci, assim, Jesus, o mediador entre Deus e os homens. Aprendi que ser cristão é um modo de vida e não uma religiosidade sem vida. NEle encontrei tudo que precisei para chegar até aqui. NEle há provisão para vocês também.

Bom, esta é minha homenagem às mulheres que assumem o papel de pai e de mãe e que dão duro para garantir uma boa criação para seus filhos!
Minha mãe é a pessoa que mais admiro no mundo e sempre espero que ela tenha orgulho de mim!

Ah! Já contei pra vocês, mas vale a pena reforçar: Minha mãe tem uma página no face. Se chama Tecendo Arte. Clique e se inscreva! (Aproveitem e falem boas coisas de mim hahaha)

IMG_1641

Elaine, Joyce, Risia e Mônica – Família Costa Coelho.

Espero que tenham gostado!
Curtam este post e compartilhem!😉

Quarta de molho

Hoje é quarta-feira, e sim, se você está lendo este post hoje, 17/08, está lendo exatamente no dia em que ele foi escrito.

Hoje fiquei em casa de atestado porque eu pensei que estava com amigdalite, mas descobri que estou com um quadro forte de rinite. Mas…peraí…eu nem sabia que tinha rinite!
Depois de quase 3 meses tomando antibióticos variados e indo a médicos, um resolve olhar meu nariz e diz que estou com o que nenhum outro médico disse que eu tenho.

Pra falar a verdade, nem confio 100%. Vou tomar todos os medicamentos porque, primeiro, nenhum é antibiótico e, segundo, porque não tenho opção.
Vai que desta vez o médico acerta e eu vou me livrar desta dor terrível que não me deixa em paz, né?!

Hoje foi um dia de editar, editar e editar.
Já que não posso falar porque também dói, então só me resta digitar, clicar e ficar em silêncio.
Por outro lado, consegui descansar um pouco e ficar quietinha. Coisa difícil de acontecer. Sempre tenho algo pra fazer.
Desta vez, meu próprio corpo disse não! rs

Bem, o que quero concluir disto tudo? Que mesmo quando achamos que tudo está sob controle, precisamos reconhecer que nem sempre é assim.
Algumas coisas podem acontecer e nos mostrar que não somos donos do tempo, do nosso corpo, da nossa saúde.

Espero que faça sentido pra você, porque está fazendo muito sentido pra mim…cada minuto deitada me faz perceber que, mesmo que eu queira fazer outra coisa, se meu corpo não me permitir, não farei. A não ser que não queira me recuperar. A não ser que eu não pense a longo prazo…

Enfim, vale a pena ficar de molho para uma recuperação completa.

Um abraço.

Os vídeos que mexeram comigo.

Eu escrevi no post de ontem que tenho conhecido canais diferentes, pessoas diferentes e ideias diferentes. E tudo isto tem me levado muito a refletir sobre vários assuntos.

É engraçado porque me senti no lugar de vocês quando assistem um vídeo meu e me escrevem os comentários tão lindos. Eu senti meu coração apertadinho porque tocaram em pontos que reparei que preciso melhorar.

Vocês sabem que amo refletir sobre a vida e pensar em mudanças. Eu constantemente paro pra me analisar. Mas, quando alguém ou alguma situação me levam, sem querer, a pensar sobre mim, acho muito mais gratificante. Esta identificação é muito preciosa.

Então quero compartilhar com vocês alguns vídeos que mexeram comigo e que podem mexer com vocês também.

1. Qualidade é uma escolha diária.

 

Este vídeo mexeu muito comigo, mais do que imaginei, pois veio de encontro com o que estava me incomodando. Não vou entrar muito no assunto pois expliquei bem claramente o que está acontecendo comigo no vlog que vai na sexta-feira.
Percebi que, às vezes, só pra falar que fiz, deixo a qualidade um pouco de lado. Não fica mal feito, mas poderia ter sido feito melhor.
Se você está na mesma fase que eu, ou se não parou pra pensar sobre e está aberto para a reflexão, indico!

2. Julia Petit – Petit Comitê

 

Neste caso não é só este vídeo. Eu já seguia o perfil da Julia Petit, mas era um canal de maquiagem. Como deixei de me interessar por pesquisar sobre o assunto, acabei deixando de assinar, mas descobri que ela abriu um outro canal e, não sei se é esta a intenção do canal, mas ela responde um monte de perguntas de seus seguidores, sobre vários assuntos.
O que mais me impressionou, primeiro, é a forma que ela pensa sobre a vida, conhecer os pontos de vista de uma pessoa é muito rico. Eu indico que você assista vários vídeos pra simplesmente conhecer opiniões diferentes das suas.
Eu concordo muito com ela, com muitas coisas e não concordo com outras, mas fiquei pasma com o tanto de coisas que nunca parei pra pensar a respeito e também tantos outros assuntos que nem parei pra pensar, por preguiça, por descaso ou por me alienar mesmo. Pensar em alguns assuntos dá trabalho, porque, conhecendo o que está acontecendo, é preciso gerar uma ação. E gerar ação é cansativo. Gera esforço, estressa e os olhos começam a enxergar o que antes não enxergavam.
Fiquei inquieta! Vale a pena! Vale a pena ouvir opiniões de pessoas críticas e inteligentes!

3. Uma semana sem produtos de limpeza convencionais

Já tenho me incomodado um pouco (ou bastante) a respeito dos assuntos sustentabilidade, consumo consciente e cuidados com o mundo.
Escrevi no post de segunda-feira sobre isto e um dos vídeos que me levantou novamente o assunto foi este desafio que algumas blogueiras/youtubers fizeram e que eu soube através do vídeo da Rubia.
O que eu posso fazer para colaborar com o lugar que vivo? Quais atitudes posso tomar para um presente melhor? Reparem que escrevi “Presente melhor” e não “futuro melhor”, porque podemos sim mudar nosso presente e assim, o futuro será apenas um reflexo do que fazemos hoje!
Te convido também a se inquietar sobre isto e entrar comigo nesta.
O que eu for encontrando de notícias interessantes vou compartilhando no Dica.

O que vocês têm pra indicar dentro destes assuntos que eu coloquei?
Quais vídeos, livros, links mexeram ou têm mexido com você?
Compartilhem comigo!

Vamos mudando por dentro e refletindo esta mudança onde estivermos!😉

Um abraço

Aulas particulares: O “contrato”

Fiz um vídeo há um tempo atrás dando Dicas para quem queria dar aulas particulares.
Muita gente gostou e consegui tirar muitas dúvidas a respeito.
Se você não assistiu ou não lembra direito, aperte o play aqui:

Durante o vídeo citei que costumo enviar um contrato aos meus alunos antes de começar a dar as aulas, pois assim evito maus-entendidos e constrangimentos.
Este detalhe chamou tanto a atenção dos que assistiram que, até hoje, não tem um mês que passe sem eu receber um e-mail ou comentário me pedindo este contrato.

Eu sempre expliquei que não enviava porque era muito pessoal e não tinha nada demais.
Era apenas um documento do word e minhas “exigências”.
Cada um tem as suas.
Mas, como o mês de agosto é o mês de pagar as dívidas, resolvi finalmente, ceder aos pedidos de vocês e compartilhar o formato do documento.

Entenda melhor neste vídeo atualizado e, abaixo dele, o modelo para você criar o seu!

 

Vamos ao modelo:

 

Olá “fulano”,

Tudo bem?

Fico muito feliz que tenha interesse em ter aulas comigo!

Para que nossa relação professor-aluno seja sempre clara e tranquila, deixo abaixo alguns pontos importantes:

– Cada aula tem duração de X min;

– Cada hora/aula tem o valor de R$ X.

– As aulas deverão ser pagas SEMPRE na primeira aula de cada mês, em dinheiro ou através de transferência bancária;

– Caso haja algum imprevisto e seja necessário desmarcar alguma aula, para que haja a reposição da mesma, eu devo ser notificada até 24 horas antes da aula seguinte. Caso este prazo não seja respeitado, a aula não será reposta;

– É necessário comprometimento da parte do aluno sendo refletido através da realização de todas as atividades propostas em aula bem como lição de casa;

– Anualmente haverá um reajuste no valor da hora-aula

– Caso seja necessário que eu me locomova até a residência ou local de encontro e haja gasto de transporte, será cobrado o valor correspondente.

– Em caso de atrasos superiores a 15 minutos, a aula poderá ser cancelada sem reposição.

Novamente agradeço a escolha e confiança e estou à disposição caso surjam dúvidas.

Atenciosamente,
Seu nome.
(Telefone para contato)
Dívida paga?! Acho que sim!

Gostou? Curta este post e compartilhe com mais pessoas!😉

Um abraço

E começa a semana…

Imagem-Destacada-Site-Segunda-Feira.png

Fonte

 

Chegamos no meio do mês de agosto.
Estamos oficialmente autorizados a falar: “Nossa, como o ano está passando rápido!”
Porque se agosto, que, teoricamente é o mês mais longo, está voando…então isto quer dizer que alguém encontrou o botão do filme “Click” e está usando sem moderação! rsrs

Bem, pra esta semana tenho muitas coisas reservadas.
Pra começar, eu planejei minha semana de uma forma diferente desta vez, tentei um método que vi em um vídeo…quanto mistério, né?! rs
Não vou contar muito, porque não quero dar spoilers do Vlog que estou gravando pra vocês e lá teremos todos os links e indicações!🙂

Coloquei no caderno tudo o que preciso realizar nesta semana, mas minha lista de tarefas diárias continuam firmes e fortes! Aguardem o vlog de sexta-feira! rsrs

Depois de tanto tempo enrolando resolvi finalmente caminhar.
Sempre gostei de caminhar, desde que morava em Santos já tinha este costume, mas o local onde moro não é muito seguro para andar, durante a semana, nos horários que eu tenho disponível. Mas aos fins de semana acho que dá porque eles fecham alguns locais próximos que dá pra eu ir! Eba!!

Depois de umas semanas doente e rebelde, retomo minhas leituras. Doente, porque realmente ando meio doente da garganta, que acaba refletindo no corpo todo. E, rebelde porque joguei tudo pro alto e quebrei toda minha rotina!
Por um lado me senti livre, por outro deixei de lado todas as coisas que eu gosto de fazer e que só faço se tiver uma rotina…difícil, né?! rs
Mais alguém é assim como eu?
Nesta semana vou falar em vídeo sobre todos os livros que estou lendo, tá?!

Ah! Estou firme e forte nas marmitas da semana! (De segunda a quinta, tá? Nas sextas eu como com meus amigos).
Na semana passada eu não fiz em dois dias porque estava realmente muito mal, mas agora já voltei e tenho até meu cardápio!
Aos curiosos que sei que perguntarão – rsrs – vamos ao menu:

Segunda-feira: Batata recheada com queijo, espiga de milho com salada de tomate e alface.

Terça-feira: Macarrão integral à bolonhesa com salada de pepino, milho, alface e tomate.

Quarta-feira: Arroz integral, feijão, espiga de milho e frango frito com sala de beterraba.

Quinta-feira: Frango frito, purê de batatas com salada de cenoura e beterraba.

OBSERVAÇÃO: **Leiam com carinho** Eu compartilho meu menú porque sei que tem muita gente que vai me perguntar. Mas, se começarem a dar muitos “pitacos” no que como ou me falar o que deveria comer, não compartilho mais, porque preciso dizer que é muito chato, ok?!

Nesta semana voltaremos com o tema Minimalismo! Por vezes no blog e por vezes no canal, vai depender do que vou falar, se fica melhor em texto ou em vídeo. Eba!!!
É engraçado porque reparei que sou minimalista. Talvez não tão “fervorosamente”, mas minha vida é minimalista e quando saio um pouco disto acabo me sentindo meio mal e volto às minhas “raízes”.
O que vocês acham desta “novidade”?

Com o passar do tempo tenho amadurecido muito mais minhas ideias sobre o Dica pra Hoje e, conhecer canais diferentes, pessoas diferentes e ideias diferentes tem sido muito positivo!
Acho que agora estou encontrando meu caminho! Que alívio…rs

Ah! Tenho me sentindo muito incomodada com o assunto sustentabilidade e cuidado com o mundo que vivemos. Tenho pesquisado bastante sobre isto e confesso que quero aprender mais. Se alguém tiver algum nome pra me indicar pra eu buscar mais informações, agradeço.

E sua semana???
Já planejou? Corre! Ainda tá tempo!
Planejar seu tempo é investir em sua tranquilidade!

Boa semana!😉

Histórias pra contar: Abner, do nordeste para o mundo.

Quando pensei em nomes para participar deste quadro, alguns vieram à minha cabeça. Abner foi um destes nomes.
Este Pernambucano do sorriso gigante tem uma história de vida incrível e, quando o entrevistei, descobri mais coisas novas, que hoje vou compartilhar com vocês.

387814_2346358131117_1249386285_n

Abner Bezerra, 30 anos, nordestino, do Pernambuco, morando em São Paulo há mais de 3 anos.

Desde que te conheci, percebi em você uma paixão muito grande pelo que faz. Uma satisfação em relação à sua carreira. Como era isso quando era mais novo? O que queria ser? Como se imaginava adulto?
Minha mãe queria muito que eu seguisse a carreira de direito e eu quase fui. Mas antes de decidir comecei a pesquisar, conversei com muitas pessoas pra conhecer melhor e a partir destas conversas eliminei o que eu não gostava. Eu sabia que gostava de pessoas, de liberdade, de trabalhos mais dinâmicos, de criatividade e isso me ajudou a filtrar.
Daí fiquei em dúvida entre publicidade ou administração. E de novo comecei a conversar com pessoas dessas áreas e cheguei a conclusão que administração era amplo e eu poderia tentar, depois, me especializar em outras áreas.
Foi um choque pra minha mãe quando eu não escolhi direito e sim administração, mas logo que entrei na faculdade já recebi um convite de uma empresa e fui descobrindo as áreas para trabalhar e me apaixonei por marketing. Fui transferido pro marketing e descobri que amava estratégia, comunicação, fazer as pessoas se identificarem com marca, etc. Eu encontrei propósito nisso. Fazer coisas melhores, participar da vida das pessoas me faz feliz. Hoje eu tenho uma fonte de prazer.

Com quantos aos você começou a trabalhar? Conte um pouco sobre esta experiência.
Meu primeiro emprego foi com 17 anos, mas para explicar melhor isto eu tenho que voltar um pouco no tempo.
Conheci o Programa Jovens Embaixadores no 2º ano do ensino médio. Me inscrevi e houve uma seleção no Brasil e fui selecionado pra representar Pernambuco nos Estados Unidos. Era um sonho fazer um intercâmbio e esta foi a grande oportunidade. Eram 2000 pessoas no Brasil e eu fui com tudo pago. Esta visualização me ajudou muito e me possibilitou oportunidades muito boas, como esta, pois comecei a estagiar no primeiro ano de faculdade.

Sem título

O que você começou a fazer para se qualificar para o mercado?
Quando decidi estudar administração eu sabia que era muito amplo e várias pessoas se graduavam neste curso, então pensei desde o primeiro dia em agregar conhecimentos e formações que me possibilitassem ganhar outras oportunidades pelos meus diferenciais. O inglês não seria um diferencial. Eu precisava ter um currículo legal. Eu sabia que precisava me preparar.
Esta participação no programa dos Estados Unidos já me abriu muitas portas em questão de visibilidade. Além do inglês, busquei certificações internacionais e fiz curso de didática para sala de aula.
No 60 semestre da faculdade conheci um programa chamado Student Leaders e me inscrevi. Havia cerca de 10.000 inscritos e, dentre estes todos, passei na seleção. Havia somente 2 vagas para o curso de administração no Brasil. Fui pros Estados Unidos e isto agregou muito na minha formação. Pois além de fazer um curso de liderança tive contato com pessoas de várias áreas.
Eu sempre busquei cursos diferentes para ampliar meu conhecimento de mundo e que me oferecesse um background. Eu me envolvia em projetos diferentes da minha área para agregar como formação e assim, ter um currículo diferenciado.
Quando me formei, meu currículo era diferente dos outros 50 colegas da faculdade que se formaram comigo.

Hoje você trabalha em uma das maiores e mais disputadas multinacionais. Como você vê seu crescimento na empresa?
Eu, na verdade, entrei como treinee. Me inscrevi para esta vaga e minha formação me ajudou a me diferenciar e fui crescendo e crescendo dentro da empresa.
O que eu sempre busquei foi sair da zona de conforto e conhecer departamentos e projetos diferentes. E isto continua me ajudando a ampliar meu conhecimento até hoje.

Quais realizações seu sucesso profissional te proporcionou?
Primeiro, me possibilitou conhecer muita gente boa e diferente  no ambiente corporativo.
Segundo, realizações materiais: meu carro – Me lembro que sempre ia pra faculdade de ônibus, então esta foi uma grande conquista –  também comprei meu apartamento e já viajei pra outros países.
Em terceiro lugar, cada vez mais entender coisas que não quero fazer e como pode por meio do trabalho impactar a vida das pessoas. Contribuir de alguma forma pra ter um ambiente melhor. Não só um mundo melhor, porque é muito amplo, mas a cidade e a vida das pessoas.

Qual dica ou conselho você pode dar pra alguém que está começando sua carreira agora?Primeira – seja curioso. Pesquisar, se inteirar de coisas novas, abrir a cabeça para o máximo de oportunidades que pode ter. Descobrir áreas novas e as novas tendências.
Segundo- Buscar um trabalho onde você consiga ganhar dinheiro, mas principalmente fazer algo que gosta. Tem muita gente que opta pelo emprego da moda, concurso por estabilidade, profissão que a mãe quer, mas é preciso se identificar com a área.
Dentro do que você gosta, o que você gosta de fazer? Tenha seu tempo para investigar.
É mais fácil identificar o que não gosta e quais as oportunidade dentro daquilo que gosta.
Terceiro – fazer acontecer. Correr atrás das coisas. Muita gente fica presa ao conforto e às facilidades que os pais dão, mas quando você corre atrás das coisas, as conquistas têm um gosto diferente.
A gente pode observar os atletas. Embora antes houve o investimento dos pais, existe um esforço pessoal, uma conquista diária deles mesmos.

Depois da entrevista, a conversa ficou tão boa que continuamos conversando e destaquei aqui abaixo algumas informações importantes que não necessariamente estavam em alguma pergunta, mas que trazem muitas respostas para quem está em busca de crescimento e desenvolvimento profissional:

  • Beba de fontes variadas.
  • Tente coisas diferentes.
  • Esta geração tem mais oportunidades que antigamente. Aproveite isso!
  • Você deve buscar sua formação e não, esperar que sua universidade te forme. Não é só “estudar o que cai na prova”. Busque mais.
  • Ser bem -sucedido é uma questão de referencial. Uma pessoa pode ser materialmente falando, bem sucedida, mas não ser feliz com o que tem. É o equilíbrio de fazer o que gosta e ser feliz fazendo isso que torna você bem-sucedido.