Mais

A leitura e o autodesenvolvimento na era da tecnologia.

Writing-Portfolio

O hábito da leitura é muito valorizado pelas pessoas. Mesmo aquelas que falam que não gostam de ler assumem que é algo importante.
Você pode aprender diferentes assuntos, se aprofundar em temas que não imaginava poder, e tudo através de um livro.

Na época da internet, as pessoas falam que todos os conteúdos em papel são descartáveis e serão substituídos por conteúdos online, mas a verdade é que nem online, nem em papel. As pessoas estão perdendo o hábito da leitura.

Cada vez mais os blogs diminuem a frequência de posts ou diminuem o tamanho de seus posts, capricham mais nas imagens para chamar a atenção, tudo para tentar salvar aquele leitor que está dormindo ou quase desmaiando dentro das pessoas. rs

Eu sempre serei a favor da leitura porque acredito muito na transformação de comportamentos através dela e já falei em alguns posts pra vocês sobre isso. Não é à toa que temos dicas de leituras, porque quero muito que acreditem em mim e pratiquem.

O que eu quero com este post é que você não menospreze qualquer ferramenta útil para seu desenvolvimento. Que não considere nenhum método ultrapassado porque pode não ser o mais usado, mas tem seu valor.

Todas as ideias inovadoras partiram de alguma do passado ou então serviram para melhorar algo que estava ultrapassado, então não tenha medo de se aventurar.

Livros, revistas, apostilas, materiais impressos, etc são ainda super atuais, principalmente para pessoas da minha geração que ainda estão na transição entre o físico e o virtual. Assuma seu lado “vintage” (risos) e use-o como ferramenta para seu crescimento.

 

Anúncios
Mais

As 4 questões para viver de forma minimalista

carmel-place-nyc-micro-apartment-interior-1600x715

Aqui está uma grande estratégia para simplificar qualquer área de sua vida ou reduzir qualquer lista de tarefas que estão comendo seu tempo e te estressando loucamente. Tudo o que você precisa fazer é perguntar-se estas 4 questões:

1. Eu posso eliminar? Honestamente, às vezes você só precisa parar de fazer. Cortar da sua lista e ver como as coisas ficam. Na maioria dos casos, o mundo não vai acabar. Então tenha certeza de tentar fazer isto, ao menos uma vez.

2. Eu posso automatizar? Existem tarefas que você consegue colocar no piloto automático? Consegue usar a tecnologia, aplicativos ou serviços para cortar os números das tarefas que você faz manualmente? Suponho que a resposta é sim. Mais informações, na próxima pergunta.

3. Eu posso delegar? Você precisa fazer tudo? Talvez haja alguém que você pode direcionar esta tarefa em específico. Não tenha medo de perguntar – a maioria das pessoas se sentem lisonjeadas quando são confiadas trabalhos importantes para fazer.

4. Eu posso terceirizar? Faz sentido pagar alguém para fazer esta tarefa? Pense nas roupas para lavar, trabalhos de casa e outras coisas. Outra opção é contratar uma assistente virtual para administrar remotamente os trabalhos para você. Você precisa pesar o custo contra o tempo extra que terá em retorno para gastar em coisas mais importantes e que prazerosas.

Trecho retirado e traduzido deste link: http://www.redesignmyexistence.com/minimalist-living-tips-to-organize-your-life

Mais

A matemática mais simples do mundo.

How-to-manage-startup-finances-effectively

Tem gente que tem dificuldade para lidar com dinheiro por causa da criação que recebeu: talvez os pais ou responsáveis não sabiam lidar muito bem e os mesmos comportamentos foram reproduzidos pelos filhos.

Outras pessoas tiveram um período muito restrito e quando receberam um pouco a mais ou então quando ficaram independentes, quiseram esbanjar ou comprar o que não tinham condições anteriormente.

Há aquelas pessoas que têm dificuldade porque não planejam e seus gastos refletem esta realidade. Como pensam apenas no hoje, não entendem que precisam guardar ou fracionar seu salário pelo período necessário.

O que estes três cenários têm em comum: São realmente motivos fortes, porém podem ser transformados. 
E o que a gente geralmente faz: usa estes motivos como muleta e continua gastando como se não houvesse amanhã e reclamando que nunca tem dinheiro.

Quem se identifica, levanta a mão aí!!! \0/ rsrs

Eu ouço muita gente falando que não consegue parar de gastar por este ou aquele motivo, mas quando pergunto o que tem feito a respeito, rola aquele silêncio ou aquele sorriso nervoso… que na verdade é admitindo que não tem feito nada.

Cuidar de finanças é a matemática mais simples que tem: Precisa sair menos dinheiro do que entra ou fazer entrar mais dinheiro do que sai.
Na prática que a gente se confunde.

A gente acaba deixando o mês passar, vamos gastando com tudo o que vai aparecendo e esquecemos dos gastos seguintes. Não avaliamos a necessidade (realmente preciso?) e o valor (é realmente importante?) de cada coisa.

Independente de como foi criado, dos apertos que já passou ou da sua dificuldade em se planejar, nada vai mudar o fato de que você precisa tomar uma atitude e começar a fazer todo o necessário para alcançar seus objetivos financeiros.

Afinal, quando você realmente quer alguma coisa, move mundos e fundos para conseguir, né?!

Mais

Como introduzir o minimalismo na sua vida profissional

O minimalismo virou uma moda. Todos falam sobre como se fosse algo “inventado” agora, mas já existe desde o século passado. Começou através das artes e do design e agora já virou filosofia de vida para muita gente.
Minimalismo é a redução de elementos. É diminuir até possuir o mínimo possível. Mas calma! Deixe todos os seus preconceitos em uma caixinha e continue lendo com atenção.
Se você jogar na busca da internet o termo ‘minimalismo’ vai encontrar pessoas contando o número de peças no guarda-roupa ou então depoimentos de como largaram tudo para viverem como nômades, vivendo “de amor”. Mas não é exatamente isto.

Minimalismo é tirar os excessos, reduzir o desnecessário e investir no que perdura.

Como introduzir, então, este conceito na sua vida profissional?

1.REDUZA O NÚMERO DE COISAS DESNECESSÁRIAS DO SEU ESPAÇO DE TRABALHO.
Hiroshi Nittono, pesquisador da Universidade de Hiroshima, comprovou que

“Se as pessoas podem se concentrar na tarefa que têm em mãos sem se distrair com as coisas, sua produtividade aumenta”.

Isto não quer dizer que seu ambiente precisa ser todo branco, sua mesa vazia e seu fundo de tela com uma paisagem paradisíaca, só quer dizer que os entulhos que você só deixa porque não sabe o que fazer com eles precisam ter um destino. Afinal sua mesa/ sala não é depósito.

 

2. ELIMINE REUNIÕES E TAREFAS QUE NÃO SÃO IMPORTANTES.
De acordo com o estudo “Quatro caminhos para uma organização focada”, da Bain & Company , em muitas empresas perde-se 25% ou mais do tempo de trabalho com atividades de baixo valor ou completamente ineficientes.
Sabendo disto, não marque reuniões que podem ser resolvidas com uma ligação ou com um e-mail, não aceite tarefas que não tem a ver com sua função ou que vão tirar teu foco do que é realmente importante, aprenda a delegar, não aceite tarefas apenas para mostrar o quanto você é capaz; isto se chama insegurança e pode te sobrecarregar a ponto de não dar conta nem do que era sua função.

 

3. DESTRALHE SEUS SENTIMENTOS.
“Como assim, Joyce? Destralhar meus sentimentos? Pensei que estávamos falando de ambiente de trabalho.”
É isto mesmo. Ou você vira um robô quando entra na empresa?
Quantas vezes guardamos raiva por alguém que nos trata de forma injusta ou superior? Ou então nos sentimos inseguros em relação a alguém ou à crise? Quantas vezes deixamos nossa imaturidade tomar espaço e guiar nossas decisões?
Destralhar os sentimentos é, racionalmente, filtrar o que deve ir e o que deve ficar. Sentimentos que nos atrapalham precisam ir embora. Não dá para nos deixarmos levar por eles e perdermos o foco ou tratarmos alguém de forma fria ou injusta.

 

4. USE MELHOR SEU TEMPO.
A melhor desculpa para não fazer algo é a falta de tempo. Já virou até sinal de status. Não ter tempo é sinal de gente ocupada. Eu já escrevi pra vocês a diferença entre estar ocupado e ser produtivo (clique aqui para reler) e falta de tempo não é coisa boa. É sinal que você está priorizando o que não é prioritário.
Então escolhe o que fazer com seu tempo: onde estar, com quem estar, o que fazer, o que não fazer, quando dizer sim ou não, quando permanecer e quando sair, etc. Tudo isto só depende de você.
O fluxo da empresa pode até te empurrar para algumas situações sem saída, mas para as outras, você é o condutor.
Entrar mais cedo e sair mais tarde não são mais sinal de profissionais eficazes, e sim, de profissionais que não conseguem fazer o que precisam fazer no tempo disponível.
O objetivo não é te rotular como minimalista, mas te mostrar os benefícios: uma vida mais equilibrada e consciente e um ser humano que não se deixa perder-se entre excessos.

Mais

Conhece o milagre das fadas encantadas?

mouse-trap-free-vector

Eu costumo falar que a gente gosta muito do que é mais difícil.
Costumamos esperar milagres que nos exijam maior esforço e deixamos passar as oportunidades que, de repente, não tenham um nível de dificuldade tão alto.

Um exemplo muito simples é aprender inglês. Várias pessoas me pedem dicas para aprender inglês. Quando eu falo aquelas que não são segredo nenhum: ouvir músicas em inglês, assistir filmes, etc. a feição deles muda e percebo que no fundo acontece uma decepção. É como se eles esperassem algo do tipo: Vá para um  canto escuro, fale algumas palavras mágicas, beba uma poção que você só compra no vale das fadas encantadas e durma por 24 horas seguidas, que acordará montando suas primeiras frases.
Com certeza se eu falasse isso, um monte de gente começaria a buscar a poção e faria todo o ritual.

E é por isso que a gente não consegue conquistar várias coisas. Por ser simples a gente acaba diminuindo a importância ou inventando desculpa da falta de tempo ou da falta de dinheiro, por exemplo.

Gosto de exemplificar para você conseguir se enxergar melhor nas situações e de repente perceber se está cometendo este erro ou não. Então vamos lá: Você quer viajar nas suas férias e tem 1 ano para juntar dinheiro. Tecnicamente é uma coisa simples. O que fazer: escolher pra onde vai, escolher o período e cotar valores do que vai precisar (passagem, hotel, carro, etc). A partir disto separar quanto vai precisar juntar por mês para levar para sua viagem e se vai parcelar e qual o valor da parcela. Depois disso, acabou.

Se você me perguntar qual o passo mais difícil desses que descrevi, não tem! Não! Não tem! São etapas simples, sem nenhum nível de complexidade muito alto. O que você deve ter pensado como difícil é o valor, mas não é uma etapa, é só um “mal necessário”. Sem dinheiro você não viaja. Mas se você perguntar pra alguém porque não viaja, ela vai te dizer que é pelo dinheiro, quando na verdade, é porque não há a sequência de tarefas descritas anteriormente. Existe um desejo do “milagre das fadas encantadas” para te trazerem a viagem na sua mão.

O que você acha sobre isto? Faz sentido pra você?

Precisamos parar de complicar o que é simples e parar de valorizar o inalcançável. Pense nisto. 😉

Minimalismo

Porque abraçar o minimalismo.

tag-minimalismo

Há algum tempo atrás a netflix lançou um documentário chamado “The Minimalist” que, enquanto muitos amaram, outros detestaram.
O argumento que muitos ficaram contrariados foi o fato de pessoas alegarem a plena felicidade apenas quando se desfizeram de tudo ou com o fato de que quanto menos tiver coisas, mais felizes serão.

Não é bem assim. Não é que devemos vender tudo e vivermos em uma cabana ou em trailer, etc.
O minimalismo tem uma essência muito clara: Ter menos para experimentar mais, porque entende-se que temos muitas coisas. Temos excessos.

Este excesso não se restringe apenas ao que é material, mas você pode levar o minimalismo para todos os “cômodos” da sua vida: suas emoções, seus hábitos, seus relacionamentos, etc.

Abraçar o minimalismo é reter apenas aquilo que te fará bem. Não é apenas desfazer-se, mas é também nem agarrar.

Como receberemos o novo, as novas possibilidades que a vida nos coloca, se estamos agarrando o velho, o desnecessário?

O minimalismo pode te trazer um equilíbrio que há muito tempo você não experimenta. É possível você ter uma estante cheia de livros e ser minimalista, pois você sabe que têm exatamente aqueles livros que são importantes, que você vai reler ou que quer consultar. É possível ter “mais que 27 peças” no guarda-roupa e ser minimalista, porque você sabe que, de acordo com a sua rotina, sua vida social, etc,  você tem exatamente o que precisa. Nem mais, nem menos. Como também é possível que, com o tempo, perceba que está na hora de fazer uma limpa e passar para frente, mesmo que ainda goste muito de alguma coisa, mas para que esta “coisa” comece um novo ciclo na vida de alguém.

Equilíbrio é a chave. Ter o necessário. Não pensar no que vai mostrar, mas no que você vai enxergar e como vai se sentir. É andar no contra-fluxo e não consumir por imposição da mídia. É ver que não tem 12364478 amigos no seu facebook e ficar feliz pois tem apenas aqueles que se sente à vontade em compartilhar suas experiências.

Vale a pena abraçar o minimalismo. Abrace forte, tão forte que ele se torne parte de você, instintivamente e naturalmente.

Produtividade

Mudei de ideia.

Light bulbs teamwork concept

Eu tenho a mente inquieta. Ao mesmo tempo que sou extremamente focada no que quero, fico divagando em mil outras possibilidades. Minha mente está produzindo ideias quase que vinte e quatro horas por dia e se percebo que têm potencial, para algumas delas eu dou uma atenção maior.

A próxima etapa depois de ter a ideia é planejar, e esta parte é uma das minhas favoritas: separar em etapas, estabelecer prazos, correr atrás das ferramentas necessárias, etc. E a seguir, é só começar a colocar os passos em prática. (Coloquei “só”, mas nem sempre é tão simples assim).

Durante estes processos, acabo tendo outras ideias e também repensando as ideias atuais e, por vezes, mudo de ideia. Ou começo algo, vi que não é tão promissor quanto pensava e mudo de ideia. Testo as possibilidades, não dá certo e mudo de ideia. E assim segue minha vida.

Algumas pessoas acham que isso é ruim, que demonstra inconstância, mas a verdade é  que é um processo natural das coisas. Podemos mudar de ideia. E é melhor que mudemos antes de desperdiçarmos nossa energia e nosso tempo sabendo que estamos  indo rumo à passarela para cair na boca do tubarão.

Inconstância seria nunca colocar nada em prática: muitas ideias e nenhuma execução ou começar muitas coisas e não terminar nenhuma. Mas perceber que não é a melhor escolha ou que dá pra mudar o caminho, é super saudável.

A vontade de mudar de ideia vem, geralmente, durante a fase de planejamento e no começa da etapa de execução. É quando você começa a perceber que não acontecerá como planejado.

Neste caso você pode voltar para o planejamento, repensar as estratégias, reavaliar os riscos e voltar à execução ou, se achar que nada disso vai realmente valer a pena, deixar de lado e começar outro projeto.

Este texto é um incentivo pra você tentar mais, se desafiar mais, planejar mais, se dedicar mais, se comprometer mais com suas ideias. 
Quero que você entenda que podem sair ideias incríveis dessa sua cabecinha, e mesmo quando perceber que não está dando certo, todo aprendizado é bem- vindo.

Mude de ideia. Não tem problema. Está tudo bem. Mas continue produzindo.

Podcasts, Reflexões

Millennials, como parar de se comparar com outros.

Millenials.jpg

Abra qualquer aplicativo de rede social e você é instantaneamente bombardeado com atualizações em tempo-real de seus amigos, família, e outros das suas redes de relacionamento.

Seu amigo do ensino médio acabou de se mudar para um apartamento maravilhoso, seu colega de trabalho está ficando noivo da mulher de sua vida, o efeito do crossfit do seu primo está começando a aparecer… e ele não está nem um pouco tímido em mostrar.

Em um mundo onde você está conectado vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana, é incrivelmente fácil tornar-se fixado com as atualizações de todos.

É possível dizer que temos um caso de “Transtorno obsessivo de comparação” ou uma compulsão de constantemente se comparar com outros. Infelizmente, isto pode causar efeitos danosos no seu bem- estar físico e psicológico, tendo as redes sociais lincadas à depressão, ansiedade e solidão.

Além disso, estudos mostram que doenças mentais em millennials são mais frequentes que em qualquer outra geração na história.

Então como é que lidamos com isso?

Veja algumas dicas:

Encontre algo que seja apaixonado
Segundo Dumont, um dos maiores alívios que você pode encontrar da ansiedade que vem com comparação social é fazer alguma atividade que você é apaixonado. “Perceba que quando está se sentindo ansioso, pode escolher não se apegar. Às vezes quando está se sentido ansioso, parece que essa sensação nunca vai acabar, você fica neste pântano – independentemente do que já realizou até agora – e a ansiedade toma conta. Nestes momentos, o que eu diria é se distrair com algo que é apaixonado, alguma coisa que não demande muito esforço e que te coloque em um bom humor. A ansiedade irá passar”, diz Dumont.
A chave em escolher uma atividade é encontrar uma que te dê alívio instantâneo e sem esforço. Assim você conseguirá acessar facilmente em tempos angustiantes.
Ter uma atividade saudável e que te complete você pode recorrer ao invés de gastar tempo excessivamente nas redes sociais e pode ser efetivo para te ajudar a ter uma vida mais positiva e produtiva. A universidade de Yale descobriu que aqueles que passam menos tempo nas redes sociais são mais felizes e saudáveis que que aquelas que usam com mais frequência.

Medite/ Mindfulness
Quando você está ocupado se comparando com outros, pode ser difícil manter o foco em outra coisa. Para ganhar mais clareza e quietude mental, Dumont recomenda praticar uma forma de meditação. “Quando a sua mente está correndo, a meditação pode te dar mais estabilidade. Você pode dizer a si mesmo ‘Vou sentar aqui e relaxar e não vou pensar em nada, apenas neste momento”. Viver o momento pode penetrar pela ilusão das preocupações passadas e futuras, e ajudar a acalmar sua mente e corpo.
Dumont diz para ouvir músicas mais tranquilas e respirar profundamente para colher os melhores benefícios curativos. O objetivo de meditar é se desapegar de seus pensamentos e testemunhá-los objetivamente sem julgamentos, assim você conseguirá cultivar a autoaceitação. Enquanto você se torna mais confortável consigo mesmo, poderá perceber que não sente mais vontade de se comparar com outros.

Seja paciente
Leva tempo para criar novos hábitos, especialmente quando os antigos nos suprem com uma dose de dopamina. Quanto mais você esteve lutando com a comparação social, mais tempo você deverá levar para reforçar o novo hábito, um mais saudável. Isto é normal, e Dumont disse que é importante manter uma perspectiva vem planejada do seu progresso.
“Nada acontece da noite para o dia, a vida é uma maratona, não uma corrida”, Dumon diz. “Estamos tão consumidos com tudo tendo uma gratificação instantânea que queremos que nossos problemas sejam resolvidos logo de cara. Qualquer obstáculo que você tem levará tempo, paciência e trabalho duro”.

 

Trechos retirados e traduzidos deste link: https://www.forbes.com/sites/julesschroeder/2017/08/31/millennials-heres-how-to-stop-comparing-yourselves-to-others/2/#d30b1587daba