Finanças Pessoais

Economias bobas.

Resultado de imagem para i don't have money

A gente passa por cada aperto, né?

É conta pra pagar, presente pra comprar, dívida pra quitar, lazer pra administrar e nosso dinheiro, ao mesmo tempo que falta, parece que se multiplica.

A gente não sabe como consegue fazer tanta coisa e nem como conseguiremos fazer mais, pois o salário já acabou. rs

Hoje eu vim falar sobre algumas economias, que eu chamaria de burras, mas pode soar muito rude, então colocarei como economias bobas.

Quando falamos em economizar geralmente pensamos em cortar gastos. Ok, está certíssimo! Se não temos como fazer mais dinheiro entrar, precisamos fazer menos dinheiro sair. O raciocínio é este, porém, onde faremos os cortes?

Se você me responder: dos lanches ou delivery dos fins de semana, concordo. Se falar das compras por impulso, também concordo. Estes gastos repetitivos geralmente são os que tiram nossas finanças do equilíbrio.
São compras que nos dão aquele prazer do momento, mas que depois chega acompanhado do estresse porque sabia que não devia ter gasto.

Vamos fazer uma conta bem inocente?
Se cada fim de semana você sair para comer no MC Donald’s e duas vezes no mês você for ao cinema:

Uma média de lanches lá, seria cerca de R$25,00 X 4 = R$ 100,00
O cinema, vamos supor que você não tem direito à meia entrada, seria uma média de R$ 30,00 X 2 = R$ 60,00.
Dando um total de R$160,00 por mês.
Mas sabemos que você sai mais do que isso porque estou contando apenas um dia do fim de semana. O que você costuma fazer com o outro dia? Onde você gasta?
Vamos colocar a pizza sagrada? Se você pedir todos os fins de semana, vamos chutar baixo, uns R$30,00 (dependendo da localização e do sabor pode ser o dobro deste valor), ficaria R$ 120,00 por mês, mais o refrigerante que não pode faltar, vamos colocar uns R$ 8,00. R$ 32,00 por mês com refrigerante.
Temos aqui, um total de R$ 312,00. 

Estou falando para você nunca mais comer fora ou pedir pizza ou ir ao cinema? Lógico que não!
Mas quando dizemos que não temos dinheiro precisamos ser sinceros conosco e procurar onde ele tem ido que não nos possibilita fazer outras coisas que dizemos que queremos.

Conheço muita gente que diz que gostaria de fazer um curso de inglês, mas não tem dinheiro.
Também vejo pessoas que falam que gostariam de começar a ir à academia, mas não têm dinheiro também.
Outras não entram na faculdade porque é muito caro.
E a lista não tem fim.

Quando falo em economia burra boba estou me referindo exatamente a isto: deixar de fazer coisas que vão nos trazer benefícios a longo prazo, mas jogamos nosso dinheiro no ralo, por vícios de consumo.

Você pode pesquisar escolas com descontos ou mais baratas, pode fugir das grandes marcas e escolher lugares com boas referências, pode fazer academia nestas econômicas que estão lançando, com preços bem abaixo do mercado, e assim por diante.

Não ter dinheiro nem sempre é a verdade a respeito de não fazermos o que precisamos. Pode ser uma desculpa para não admitir a má gestão do seu dimdim.

O que você me diz?

Faça uma conta a respeito dos seus gastos apenas de fim de semana. Coloque na ponta da lápis todos o investimentos em você que fala que gostaria de fazer mas não tem dinheiro: cursos, academia, livros, etc.
Será que realmente te falta dinheiro?

Pense nisto. 

 

Anúncios
Finanças Pessoais

As falsas economias.

Resultado de imagem para dinheiro voando

Em tempos de crise promoções nos atraem e nos dá a sensação de que estamos economizando.
O mercado sabendo também que a situação não está muito fácil nos ajuda com alguns “descontos”, mas devemos nos lembrar que o objetivo deles é vender e não necessariamente nos ajudar.
Eles querem ver as prateleiras vazias, e você pode confundir as ofertas com economia.

Conheça aqui algumas falsas economias para não cair mais nelas:

Embalagem econômica
Comprar embalagens grandes pode ser algo muito interessante. Geralmente estes produtos são mais baratos do que se comprássemos dois do mesmo produtos, só que em embalagem menor.
Só que dependendo do tipo de produto isto pode ser uma pegadinha.
Em casos de produtos usados sempre, como produtos de limpeza, vale a pena. É importante que os produtos rendam, até porque são produtos caros.
Só que, um outro exemplo, xampu/ condicionador não são bons produtos para comprarmos em embalagens econômicas porque acabamos enjoando, compramos vários outros, nosso banheiro fica cheio de embalagens ocupando espaço, depois de um tempo nem lembramos que determinado produto está ali, gasta-se tempo na hora da limpeza e o produto é tão grande que nunca conseguimos acabar com ele.
Então compre as embalagens convencionais, que são do tamanho que você precisa, vai acabar logo, você poderia depois escolher o mesmo produto, se gostou, e se não gostou, poderá comprar outra marca ou fragrância.

Pague menos em maior quantidade
Geralmente estas ofertas estão nos supermercados.
Se você compra acima de 3 produtos, os próximos saem mais barato.
Isto entra quase que na mesma linha do tema anterior. Nem sempre precisamos ou iremos usar todos aqueles produtos, às vezes a validade está bem apertada, não dará tempo de usar tudo.
Você gasta dinheiro que não tem só para ‘aproveitar’ o preço mais barato de produtos que você nem precisa ou nem vai lembrar que estão lá. Ou seja, não vale a pena.

“Compras para o futuro”
Este tópico é bem interessante e acredito que várias pessoas vão se identificar.
A pessoa está passeando em um shopping e vê que um tênis está em promoção. A pessoa já tem tênis e nem tinha sentido necessidade de comprar outro. Porém o fato de ver a plaquinha com um preço mais interessante faz com que a pessoa compre “em caso de precisar de outro no futuro”. “Vai que o outro tênis rasga”, “Vai que você enjoa”, “Pensando bem, você estava querendo outro”, e assim por diante.
Outro exemplo é comprar peças de roupas que nem fazem parte sua rotina, só porque “um dia pode aparecer uma festa e você não vai ter o que usar”.
A festa nunca aparece, você fica com a peça parada no guarda roupa, o dinheiro foi gasto (mesmo em promoção), você poderia ter usado para outra coisa ou simplesmente guardado.
Se não tem nenhum evento ou nenhuma necessidade, não compre!

Uber em pequenas distâncias
O uber tornou o serviço de transporte “de conforto” mais comum.
Hoje qualquer um pode ir a qualquer lugar pagando menos que em táxi. Isto é excelente!
Porém, a preguiça generalizou e as pessoas acessam o serviço sem uma real necessidade. Simplesmente par não dar dez passos.
Mas, Joyce, são só R$6,00!
E eu te digo: São R$6,00 que não precisariam ser gastos. Que você poderia economizar para fazer outra coisa.
É um dinheiro que só valorizou sua preguiça, você perdeu a oportunidade de dar uma caminhada tranquila e rápida e gastou sem uma real necessidade.
Aproveite este tipo de transporte somente para distâncias ou ocasiões que realmente valham a pena, como por exemplo, dias chuvosos, eventos importantes, distâncias longas ou lugares de difícil acesso via transporte público.

Tenho certeza que você consegue se enxergar em uma destas situações e até deve ter se lembrado de outras.

A proposta é que você avalie seus gastos e economize com consciência.
Muita gente cai nesta cilada dos preços baixos e jogam dinheiro fora.
Não se engane com falsas economias! 😉