Mais

A humanidade do ser humano.

Charity-Formation

Eu me lembro como se fosse hoje quando ouvi sobre o acidente de avião, com a seleção do Chapecoense. Me lembro de ver pessoas do Brasil inteiro e até de fora do país, preocupados e querendo saber o que aconteceu e de que forma poderiam ajudar.

Também me lembro de ver jogadores, de diferentes seleções, vestindo a camisa de um time que não era o deles e focados em demonstrar seus sentimentos pela grande tragédia que abalou o país.

Pensando neste acidente, me vêm à mente alguns outros incidentes como barracos que desabaram, cidades alagadas, crianças assassinadas em sua própria escola e tantos outros casos que nos deixam tristes e preocupados a respeito da humanidade. O que tem acontecido com nosso lado humano?

Fico pensando que somos movidos por grandes acontecimentos. Quando grandes tragédias acontecem, nos sensibilizamos, nos mobilizamos e agimos: levantamos suprimentos, nos voluntariamos, doamos dinheiro, etc. Logo o tempo passa e nossa memória “falha”. De repente a vida toma seu curso de sempre e não temos mais ninguém para ajudar.

A verdade é que não precisamos esperar grandes tragédias, assassinatos ou balas perdidas, chuvas ou outros tipos de fatalidades acontecerem.
Também não precisamos restringir ‘fazer o bem’ a obras de caridade: igreja, instituições, asilos, moradores de rua.
Fazer o bem precisa ser algo nato nosso. 

Assim como nos sensibilizamos pelos que sofreram algum tipo de fatalidade, devemos nos sensibilizar pelos que sofrem fatalidades todos os dias: amigos de nossas crianças que não ganham atenção de seus pais, que não tem acompanhamento escolar de seus responsáveis, pessoas que fazem parte do nosso dia a dia que estão usando calçado furado há semanas (muito provavelmente porque não têm dinheiro para comprar outro), amigos que falam que não vão poder sair para comer fora porque estão cansados, mas que na verdade não teriam condições de pagar o passeio, e você deve se lembrar de vários outros exemplos que fazem parte da sua, da minha, da nossa vida.

O que temos feito? Geralmente fingimos que não percebemos nada, ‘acreditamos’ nas mentiras dos outros – porque nos convém- e abrimos mão de nos “incomodarmos” com o que “não é da nossa conta”.

Eu tenho um “problema”: quando vou me desfazer de coisas minhas, costumo doar. Minha primeira ação é descobrir se alguém precisa e, dependendo do que é, tento vender, mas se não conseguir, não tenho problema em passar para frente, porque fico pensando: e se fosse comigo? Eu gostaria de ganhar ou que me vendessem? Mesmo que a um preço simbólico, eu preferiria que me presenteassem, que vissem minha necessidade ou que perguntassem ‘quanto pode pagar por tal coisa’?

Não acho errado quem vende suas coisas, tá?! Sério. Não acho errado. Estou falando de um hábito meu. Até porque o estresse da venda me desanima a manter negociações, etc. Prefiro dar logo. rs

Mas o objetivo deste texto é te convidar a perceber as oportunidades de ajudar as pessoas que fazem parte do seu dia a dia.
Nos condoemos com pessoas que nem conhecemos, mas não com aquelas que conversamos, que vemos, que abraçamos.

A partir do momento que abrir seus olhos para as oportunidades, irá perceber que ajudar não é necessariamente doar dinheiro ou roupas, mas é ensinar alguém a montar um currículo, ou dar dicas para alguém que vai à uma entrevista de trabalho. É ouvir a pessoa desabafar sobre algo que está incomodando, é imprimir um documento na sua impressora para que a pessoa não tenha este gasto em uma papelaria; é ensinar alguma coisa que você sabe, elogiar quando perceber que a pessoa se esforçou em algo, reconhecer uma tomada de decisão – mesmo que fácil para você – mas que para a pessoa era um desafio.

Nossa! Eu poderia dar mil exemplos mais.
Mas, abra seus olhos! QUEIRA ver as oportunidades! 
QUEIRA fazer parte do processo de transformação ou  de melhoria, na vida de alguém.
É o que você gostaria que fizessem por você, não é?!

Faça. Quem sai ganhando é você. Acredite.

Anúncios
Mais, Reflexões

Sempre há uma segunda opção.

bigstock-Businesswoman-presenting-to-co-90005732

Quem é que nunca se viu sem solução?
Tem dias até que sair da cama não parece uma opção.

É engraçado que mesmo que a gente tente fazer tudo certinho, certas coisas não dão certo. Nem todos os nossos planos saem redondinhos e ainda têm os imprevistos, que como sabemos, não avisam. Simplesmente aparecem.

Acontece que, seja na sua vida pessoal como na sua vida profissional, sempre há – no mínimo- uma segunda opção.
Não é apenas uma questão de sim ou não. Porque quando restringimos a sim ou não, perdemos os vários outros caminhos no meio.

Por exemplo, você está em dúvidas se deve continuar em um relacionamento. Talvez você esteja pensando: termino ou continuo?
Quando ficamos no sim ou não, indiretamente pensamos: continuo neste relacionamento que não está bom ou termino e tento ser feliz com outra pessoa, no futuro?

Vamos pensar nas outras possibilidades intermediárias:
– Fazer um levantamento do que não está bom em seu relacionamento e ver se dá para gerar soluções;
– Conversar com seu cônjuge para saber se elx está satisfeitx com o relacionamento, desta conversa podem sair outras soluções inimagináveis;
– Ver se a pessoa é tão especial que vale a pena aguentar algumas diferenças;
– Ver se é uma fase;
– Ver se você não está bem internamente e acaba achando que o relacionamento é o problema.

Estas opções não são ‘sim’ nem ‘não’. São alternativas intermediárias. Elas vão acabar te dando um norte quanto ao ‘sim’ ou quanto ao ‘não’, mas é um degrau importante na construção da sua decisão.

Quando pensamos só no fim, esquecemos que temos o meio. Um caminho.
Mas a verdade é que pensar no caminho demanda tempo e paciência. E quem tem essas coisas hoje em dia, não? rs Precisamos ter. É uma questão de prioridade. 😉

Qual tem sido sua maior preocupação? Se não vem nenhuma resposta, se pergunte:
– Por que não vejo nenhuma solução?
– Qual a única escolha que vejo agora? (O oposto a ela é uma segunda opção \0/)

Saiba que você tem, mínimo, mais uma resposta. Basta investir no que é realmente importante pra você, esperar com paciência e dar atenção devida, sem deixar o que te incomoda de lado.

 

Mais

Os filmes que me marcaram em 2017

blg

Eu adoro filme!
Se tem uma coisa que me anima é ir ao cinema. Em casa eu assisto mais séries, mas gosto mesmo de assistir filmes na telona.
No ano passado consegui ir bastante, até porque eu era estudante…então pagava meia. Este ano minha vida dificultou um pouco…não sou mais estudante e a vivo me rebaixou, eu tinha 50% de desconto com o ‘vivo valoriza’ e eles me rebaixaram, dá pra acreditar?! Enfim…

Mas vamos aos filmes que marcara meu 2017, e que, se você tiver oportunidade, recomendo que assista:

A Cabana
Eu já amei o livro, foi uma leitura super rápida e super introspectiva. Lembro que quando comecei a ler, automaticamente comecei a imaginar cenas. Quando me falaram que iria ter o filme, confesso que imaginei bem distante do original e que não conseguiriam reportar a beleza das cenas. Mas conseguiram.
As melhores cenas estão no filme e reproduzidas de forma muito sensível!
Me emocionei com o filme, tanto quanto com o livro.

Lion
Lion é um filme lindo! Este ano chorei bastante no cinema hahaha.
Conta a história de um menino indiano que se perde de sua família e é adotado por uma família australiana.
O mais interessante é que o filme é baseado em fatos reais, e no fim do filme (pelo menos no cinema), passam fotos e cenas com as famílias reais.

Beleza oculta
Este é um filme que fala sobre superação.
Mostra que pessoas podem passar por problemas, e por vezes pode ser difícil superar, mas existem alguns fatores que podem ajudar neste processo.
Não preciso nem falar do elenco…Will Smith é o personagem principal e dá um show na telona!
Eu indico para todos, mas se você está passando por um período de dificuldade, assista e tire suas próprias lições.

Altas expectativas
Este filme…meu Deus!! É um filme brasileiro e conta a história de amor de um anão que achava que jamais conseguiria conquistar uma mulher que não era anã.
O filme é tão bonito, tão poético, e é a história do humorista Leonardo Reis e ele mesmo interpreta seu próprio papel.
Além de uma história de amor muito bonita, também mostra como superar dificuldades internas e preconceitos.

Dunkirk
Eu jamais poderia deixar de falar de Dunkirk. Não tem como fugir muito já que é história real, mas o filme mostra o desejo de continuar vivendo e a esperança de que as coisas podem melhorar.

Mulher maravilha
Talvez este filme também esteja na sua lista de favoritos de 2017. Acho que foi o filme mais comentado pelas pessoas. Mas o que me chamou mais a atenção é porque a Mulher Maravilha é uma personagem que dá esperança.
Não sei explicar direito, mas as melhores cenas eram quando ela ia contra o que a maioria faria e dava coragem para as pessoas, fazendo com que todos agissem juntos em prol de um único objetivo.

Extraordinário
Como não citar este filme??? Meu Deus! Que atuação incrível da Julia Roberts! Mas a história em si é extraordinária!
Não é baseada em fatos reais, mas acredito que muita gente, em suas próprias diferenças, vão se ver na história e sentir o que o personagem e sua família sentiu.
Lidar com preconceitos, conosco ou com pessoas que amamos, ou com qualquer ser humano, é algo tremendamente difícil. E o filme é cheio de falas fortes, que dão uma fortalecida no nosso coração.

O Rei do Show
Esse aí, dispensa comentários.
Assisti duas vezes e sinto que se assistisse mais vezes aprenderia mais coisas.
Fiz um vídeo sobre este filme, compartilhando coisas que aprendi sobre empreendedorismo.
Além de lindo, em todos os sentidos, também é cheio de lições e frases dignas de posts no facebook. rs

 

E aí? Assistiu algum ou alguns? Quais forma os filmes que mais marcaram seu 2017?
Conta pra mim! 😉

Mais

Não confunda.

sticker,375x360-bg,ffffff.u1

  • Não confunda não querer alguém com outra pessoa com amor, isso é posse;
  • Não confunda alimentação saudável com dieta, você pode engordar comendo muita coisa saudável;
  • Não confunda querer fazer bem feito com perfeccionismo, você consegue atingir excelência quando reconhece seus limites;
  • Não confunda sentir sono ‘toda vez que lê’ se você pega o livro pra ler quando está deitado;
  • Não confunda grosseria com TPM, exceto em casos graves, todas as mulheres têm condições de refrearem suas patadas;
  • Não confunda não ter tempo com não querer, porque quando você quer viajar acorda até de madrugada pra pegar o vôo;
  • Não confunda ajudar o próximo com autopromoção, se você sente necessidade de contar pros outros todo o bem que você faz, faça terapia pra descobrir a causa da sua carência;
  • Não confunda falta de vontade com preguiça Às vezes você pode estar doente ou com problemas mais complexos do que simplesmente uma preguiça;
  • Não confunda não querer com não poder.  Inventar compromissos ou desculpas sempre pega mal.

O que mais a gente confunde? Você tem mais alguma coisa pra acrescentar?
Já confundiu alguma dessas coisas ou conhece gente que dá uma enrolada??

 

Mais

Um objetivo para 2018.

target

Oi! Tudo bem? Esta é a primeira semana de 2018 e, mesmo que não seja (se você está lendo em outra época, não precisa procurar outro post, vai servir pra você também), e sei que você tem vários objetivos: Alguns novos e alguns que vêm te acompanhando e evoluindo ou simplesmente te assombrando.

É super importante que você saiba onde quer chegar, até porque, já diz a famosa frase do filme da Alice no país das Maravilhas:

– O senhor pode me ajudar? Diz Alice.
– Claro. Responde o Gato.
– Para onde vai essa estrada?
– Para aonde você quer ir?
– Eu não sei. Estou perdida.
– Para quem não sabe para aonde vai, qualquer caminho serve

A gente já tem trabalhado muito a questão de alcance de objetivos no sentido de se preparar para alcançá-lo ou então de estar pronto para recebe-lo. As dicas sempre são neste sentido. Fico feliz em ter te ajudado!
Hoje quero adicionar um outro objetivo, mas não é para você acrescentar à sua lista. É pra você “mesclar”, fundir com as metas que você já tem: faça a diferença.

Tenho refletido muito a respeito disto. Tenho me perguntado qual o impacto que temos causado na nossa comunidade, na vida dos nossos amigos, das pessoas com quem convivemos.
De que adianta evoluirmos tanto, se tudo fica guardado com a gente, se não compartilhamos e se não colaboramos na evolução do próximo?

Meu 2018 tem este norte e quero caminhar com você para que adicionemos um foco aos nossos objetivos. Sempre que estiver caminhando em direção ao seu objetivo, seja ele qual for, pense em como atingi-lo de forma que faça diferença na vida de alguém. Mas não de forma genérica, não de forma “caridosa”, não como obra de caridade, mas de forma mais atuante no seu dia a dia.

Vamos falar mais sobre isto aqui e espero que você compre esta ideia junto comigo!

Gravei o primeiro vídeo de 2018 que complementa bastante esta ideia, e gostaria que você assistisse. É só apertar o play.

Bom ano!

 

Mais, Reflexões

Por que você precisa de um passo a passo?

co-dependence

Há alguns dias atrás recebi um comentário de uma pessoa me pedindo para dar um passo a passo para vencer a dificuldade dela. Confesso que na hora eu ri. Eu ri e li novamente porque pra mim não fez muito sentido.

Quando reli percebi que havia lido corretamente. Ela realmente estava pedindo um passo a passo para conseguir vencer uma dificuldade dela.

O que me impressionou não foi só o pedido do “passo a passo”, mas foi o fato de que o que eu mais falo pra vocês é como é importante fazermos nossa parte, como é imprescindível buscarmos a solução e encontrarmos nossas respostas, sendo assim pedir um passo a passo pra mim vai contra tudo o que compartilho com vocês.

Quando pensei em compartilhar dicas foi porque eu mesma pastei um pouco para encontrar a resposta, mas de forma alguma eu considero ruim o fato de que tive de correr atrás. O que eu consigo com ajuda de outros me dá um sentimento de acolhimento. É o pit stop necessário para respirar e conseguir seguir adiante sozinha; mas conseguir sozinha aumenta a sensação de ser forte, de empoderamento, de que consigo.

Esta não é a primeira vez que recebo comentário de alguém me pedindo “exatamente” o que fazer. E não é a primeira vez que me impressionou, cheguei a escrever sobre isto neste post mas desta vez eu quis ser mais clara porque o meu maior desejo é tornar cada um de vocês que me seguem, independentes.

Não gostaria que vocês esperassem de mim um passo a passo. Não gostaria que vocês esperassem de mim as palavras certas ou o que vocês precisam para fazerem algo. O que eu mais desejo é que vocês reflitam em cima de cada dica e tracem os próprios caminhos, planejando, refletindo e não tenham medo caso algo dê errado.

Quero que vocês sejam donos das próprias escolhas e tomem as decisões que acharem necessárias de acordo com os objetivos que querem alcançar.
Imaginem a minha responsabilidade em falar um passo a passo e, de repente, dá errado?! Provavelmente você falará que a culpa é minha. Mas quando você mesmo se decide, você assume seus riscos e tira seus aprendizados. Você vai conseguir entender o que, no meio do caminho, poderia ter sido diferente e se tornará mais “cascudo”, ou seja, mais resistente. Isso é incrível!

O que te impede de traçar seus próprios passos? O que te impede de decidir por si mesmo e alcançar o que você tanto quer? Pense nisto e dê o primeiro passo.

Mais

O amor está no ar…

lovesongs

Esse ano foi um presente pra mim em relação à relacionamento.
É estranho dizer mas eu quero me casar, sinto que já está na hora para acontecer, pois já tenho realizado muitas coisas sozinha e agora quero realizar novas coisas com alguém comigo. Mas ao mesmo tempo sinto que ainda não estou pronta, por motivos que não cabem escrever aqui, são bem pessoais.

Ao mesmo tempo, sou romântica por natureza. Amo o amor, acredito no amor, fico feliz quando vejo pessoas se casando; acho lindo olhar fotos onde as pessoas, sem querer, sem posar, demonstram amor em um olhar, na forma como abraça, como ri junto, enfim.

Então resolvi separar algumas músicas românticas que escutei muito – e ainda estou escutando rs – para você entrar no clima comigo! 🙂

A primeira eu já indiquei em algum outro post onde falei sobre as músicas que estava escutando na época. Confesso que não queria que muita gente conhecesse porque, se eu casasse na igreja, gostaria que cantassem ela. hehehe
1. Eles se amam – Vocal Livre

Esta segunda eu já tinha escutado, mas não consegui salvar; e, de repente, ela aparece como música indicada pelo Spotify:
2. Mais – Amanda Rodrigues

Esta eu também já havia indicado, mas vale a pena repetir para quem não leu o post ou para quem não deu a devida importância!! rs Homens, cantem para sua pretendente! Não tem erro! hahahaha
3.  Se for com você – Estevão Queiroga

A próxima é um pouco triste, mas também é de amor. Um amor que não foi correspondido, que não durou. É pra você ouvir enquanto pensa se vale a pena voltar ou aceitar a pessoa de volta…
4. Canção de quem fica – Felipe Valente

Mais, Reflexões

Escrever é mais por e pra mim…

escrever-artigos-2

Enquanto escrevo este post ainda estou em Petrópolis. Praticamente todos os posts deste mês de novembro foram escritos aqui. Que decisão mais inteligente foi a minha de vir pra cá e aproveitar este feriado de finados para sair de São Paulo!

Às vezes a gente acha que como será feriado iremos descansar em casa, com amigos, mas não é a mesma coisa. É necessário sair um pouco do ‘de sempre’. 

Eu sempre tive um sonho de ter uma casa onde eu teria uma mesa só para escrever, que seria em frente a uma janela que daria para uma paisagem que me levaria para outro mundo, e esse outro mundo me ajudaria a escrever.
É aquela visão romântica de escrever. rs

Aqui em Petrópolis eu cheguei à conclusão que ainda quero minha mesa – de madeira – em frente à uma janela que dê para uma paisagem que me leve para outro mundo. Todos estes posts em Petrópolis foram escritos na área comum do hostel, como se fosse o quintal, com árvores, com vento, com quietude…

Sentada aqui “ganhei” – não sei a palavra certa – a certeza de que quero sempre escrever. Me realizo escrevendo. É uma pena que não consiga escrever tanto quanto antigamente, apesar de o número de ‘leitores’ diminuir e o número de ‘seguidores’ crescer.

Não sei se vai fazer sentido para alguém, mas escrever é mais pra mim e por mim e gravar é unicamente para vocês e por vocês.
Escrever é terapia, é transformação, é repensar é reconstruir, é visualizar o que não consigo explicar. E pretendo fazê-lo. Ainda tenho textos em papel que não compartilho e até costumo escrever algumas das minhas orações quando minha cabeça está tão bagunçada que nem consegue construir uma frase verbalmente.

Não sei se você vai tirar algum aprendizado deste post e tão pouco sei se este é o objetivo deste texto rs, mas espero que faça sentido e te traga algo bom, assim como quando escrevo.

Mais, Reflexões

Eu tenho aprendido que…

imagem

Eu tenho aprendido que não importa quantas pessoas nos deem um ‘não’, alguém em algum momento nos dará um ‘sim’. Tenho aprendido que quando alguém me diz que não conseguirá fazer alo, não quer dizer que não conseguiremos fazer. Eu tenho aprendido a aprender que podemos sempre aprender alguma coisa e que a educação é a chave para ser mais. Eu tenho aprendido a fortalecer minha esperança e ser resiliente. Eu tenho aprendido a nunca desistir.

Eu tenho aprendido que há muito mais do que vemos na superfície e que nós não sabemos o que nós sabemos. Tenho aprendido sobre outros países, outras culturas, outros idioma, e outras pessoas. Tenho aprendido que ‘diferente’ não é ruim, é apenas ‘diferente’, e na maior parte do tempo é bom. Eu tenho aprendido que há sempre algo mais que pode ser feito, algo mais que nós podemos fazer, para nós mesmos, para alguém, para um estranho. Eu tenho aprendido a ser corajoso. Tenho aprendido que a ajuda às vezes vem de quem nunca esperamos. Tenho aprendido que os milagres acontecem e que mesmo quando está muito difícil manter a fé, a coisa mais incrível pode acontecer inesperadamente, no último minuto.

Eu tenho aprendido que não importa quão ruim possamos nos sentir em algum momento, não se compare com alguém que quase nunca sofre. Eu tenho aprendido que há pessoas que podem passar dias sem comer nada. Tenho aprendido que nós valemos a pena. Tenho aprendido que nós podemos sempre ser melhores focando no que realmente nos importa. Tenho aprendido que é muito importante passar mais tempo de qualidade com as pessoas que se importam conosco e que nós nos importamos. Tenho aprendido que nossas famílias são, simplesmente e de longe, a melhor parte de nós. Tenho aprendido que ficar sozinho não é o mesmo que estar sozinho.

Eu tenho aprendido que nós podemos sempre ter mais empatia e mais compaixão pelos outros, que estender uma mão amiga a alguém pode ser uma luz de esperança para alguém se sentindo sozinho. Tenho aprendido que alguns momentos da nossa infância foram muito especiais e continuarão conosco eternamente. Tenho aprendido que mães tem o trabalho mais difícil da terra e que nós nem sempre mostramos a elas a apreciação que elas merecem; tenho aprendido que nós deveríamos demonstrar mais frequentemente.

Eu tenho aprendido que mesmo alguém sorrindo e rindo pode estar ferido por dentro. Tenho aprendido que dar é muito melhor que receber. Que animais podem ser muito leais e não apenas melhorar nossa vida, mas também salvá-la. Tenho aprendido que pessoas podem mesmo amar um país onde nem foram nascidas. Tenho aprendido que quando nós estamos chateados podemos tomar decisões ruins e dizer coisas que ferem e que nunca deveriam ser ditas. Eu tenho aprendido que caminhar em um dia bonito pode nos ajudar a clarear nossas mentes e nos fazer nos sentirmos melhor.

Eu tenho aprendido que não há benefícios em guardar ressentimento em nossos corações e que o espaço é melhor quando preenchido com esperança, amor e alegria. Tenho aprendido que outras pessoas fazendo o bem é bom pra nós também.Tenho aprendido que todos nós temos preconceitos inconscientes que afetam as decisões que tomamos. Tenho aprendido que ter mais dinheiro não é sempre o melhor. Tenho aprendido que os maiores líderes que nos inspiram não são necessariamente aqueles com os maiores títulos mas aqueles com mais integridade, lealdade e compaixão.

Eu tenho aprendido a aceitar a mudança e tirar o melhor disso. Tenho aprendido que algumas pessoas que estão fisicamente longe de nós podem estar mais perto que aquelas que estão próximas de nós fisicamente. Tenho aprendido que a música consegue nos levantar de forma que nada mais consegue. Tenho aprendido quão importante é viver com propósito e valores. Que a coisa mais certa a se fazer é muitas vezes mais difícil de fazer mas é sempre a coisa certa a ser feita.

Tenho aprendido que nós podemos e devemos sempre continuar aprendendo até o último dia. Tenho aprendido que tudo ficará bem. Que cada dia é um presente. Tenho aprendido a aprender a aceitar, a perdoar, a apreciar. Tenho aprendido a amar, incondicionalmente.

Texto traduzido deste link: https://www.linkedin.com/pulse/ive-been-learning-luis-moreno/?trackingId=0O1YkII%2FduhwgioWxLuzoQ%3D%3D