Finanças Pessoais, Reflexões

Não é errado ter muito dinheiro!

 

money

Eu sei que várias pessoas já disseram isso e que sabemos que o dinheiro não é o mal do século, mas ainda há uma culpa velada, pelo fato de querermos ter dinheiro, querermos uma vida mais confortável. A questão é que temos o transformado em um monstro, por simplesmente esquecermos para que ele serve.

Antes disso quero dizer para que o dinheiro NÃO serve:
– Para separar pessoas;
– Para criar níveis ou classes;
– Para ter até transbordar pela pia e não caber mais “debaixo” do colchão;
– Para termos muito, mesmo que sem objetivo algum.

Lógico que existem muitas outras razões pelas quais o dinheiro não serve, mas estas são algumas bem importantes e que acho que as mais recorrentes e graves.

Refutando cada um destes pontos, quero trabalhar melhor a questão de ter dinheiro. O problema é que ele tomou uma importância maior do que na verdade tem. Temos utilizado como meio de conseguirmos o que queremos, seja o que for, seja quanto for. Temos nos corrompido e nos vendido. Temos “comprado” dinheiro e não o utilizado para comprar. Conseguem ver a diferença?

O dinheiro é um mal necessário. Eu sinceramente não queria depender dele. Eu trabalharia por um teto e por comida. Eu não estou falando de socialismo, mas estou falando que o dinheiro hoje, na forma como é utilizado, me cansa e me desanima.

As pessoas tem perdido a oportunidade de se desenvolverem, de crescerem,  de se motivarem por outras razões, porque de alguma forma é ditado que sem dinheiro não somos nada, que o fim para todos os meios é o dinheiro e que o meio para todos os fins é o dinheiro. Meu Deus!!! Por que?

Não! Não quero queimar o dinheiro e nem acredito que vamos abandonar o capitalismo, afinal, depois de provar de seu gostinho, quem vai querer abandoná-lo?

Mas você pode escolher como usar o seu dinheiro e se você tem um pouco mais que a maioria, pode escolher com sabedoria onde vai utilizá-lo, sem necessariamente ser esbanjar e jogar na cara dos outros que tem menos. Compre suas coisas, realize seus sonhos, viaje, se vista, se dê presentes/ luxos, você tem trabalhado por isso, mas não acredite que você é diferente que os demais. Não aja de forma a diminuir os que não conseguiram o que você conseguiu porque não tem o salário/ renda que você tem.

Um dos segredos da boa administração financeira é que todo dinheiro deve ter um objetivo. Caso contrário gastaremos no que não era tão necessário e não teremos para o que era extremamente necessário.
Então essa ideia de que quanto mais melhor, depende. Mais pra que? Melhor para que/ quem?

Dinheiro parado no lugar não rende. Dinheiro escondido, você morre e ninguém se beneficia, nem mesmo pessoas queridas que você gostaria que usassem.
Coração mesquinho pode ser tão prejudicial que você vai ter muito e não vai querer usá-lo com medo de acabar. E então… pra que?

Pois é… não quero que você dê todo seu dinheiro para quem precisa e abra mão de todas as suas posses. Não quero que você se sinta culpado por ter mais do que eu ou mais que muita gente. Quero que você use bem! Quero que você se dê novas oportunidades e que não se aparte de pessoas.

Para quem tem muito ou para quem tem pouco: criem o hábito de compartilharem, de ajudarem, de dar sem esperar nada em troca, de não anunciarem aos sete ventos os benefícios que fazem, perde toda a beleza do ato.
Promova ações que possibilitem que pessoas possam lutar para chegarem em um nível  onde elas podem ter o que sonham e viverem experiências que dependem exclusivamente de dinheiro para realizarem.

Para os que não tem tanto: Não se limitem por não terem dinheiro. Independente de muitas ou poucas oportunidades que a vida vai te dar, eu gostaria que você continuasse tentando. Pode ser que demore mais do que para outros, mas não tentar consiste em saber que você decidiu que “o dia” nunca vai chegar. Triste, não?

Vivamos nosso propósito, corramos atrás de nossas realizações e sejamos felizes com o que temos, sem esperar sermos felizes pelo ainda podemos ter. 😉

Anúncios
Finanças Pessoais, Podcasts

Como juntar dinheiro para conquistar seu objetivo.

dica

Quarta-feira é dia do Podcast do Dica pra Hoje!

Para quem está chegando agora, alguns Podcasts serão os áudios dos vídeos mais assistidos ou que poderiam ter mais visualizações.
É uma forma de fazer o conteúdo do Dica pra Hoje continuar em movimento e também que quem não consegue assistir, ouça!

Como conseguir juntar dinheiro para conquistar seu objetivo? Vamos ver os 9 passos!

Finanças Pessoais

Economias bobas.

Resultado de imagem para i don't have money

A gente passa por cada aperto, né?

É conta pra pagar, presente pra comprar, dívida pra quitar, lazer pra administrar e nosso dinheiro, ao mesmo tempo que falta, parece que se multiplica.

A gente não sabe como consegue fazer tanta coisa e nem como conseguiremos fazer mais, pois o salário já acabou. rs

Hoje eu vim falar sobre algumas economias, que eu chamaria de burras, mas pode soar muito rude, então colocarei como economias bobas.

Quando falamos em economizar geralmente pensamos em cortar gastos. Ok, está certíssimo! Se não temos como fazer mais dinheiro entrar, precisamos fazer menos dinheiro sair. O raciocínio é este, porém, onde faremos os cortes?

Se você me responder: dos lanches ou delivery dos fins de semana, concordo. Se falar das compras por impulso, também concordo. Estes gastos repetitivos geralmente são os que tiram nossas finanças do equilíbrio.
São compras que nos dão aquele prazer do momento, mas que depois chega acompanhado do estresse porque sabia que não devia ter gasto.

Vamos fazer uma conta bem inocente?
Se cada fim de semana você sair para comer no MC Donald’s e duas vezes no mês você for ao cinema:

Uma média de lanches lá, seria cerca de R$25,00 X 4 = R$ 100,00
O cinema, vamos supor que você não tem direito à meia entrada, seria uma média de R$ 30,00 X 2 = R$ 60,00.
Dando um total de R$160,00 por mês.
Mas sabemos que você sai mais do que isso porque estou contando apenas um dia do fim de semana. O que você costuma fazer com o outro dia? Onde você gasta?
Vamos colocar a pizza sagrada? Se você pedir todos os fins de semana, vamos chutar baixo, uns R$30,00 (dependendo da localização e do sabor pode ser o dobro deste valor), ficaria R$ 120,00 por mês, mais o refrigerante que não pode faltar, vamos colocar uns R$ 8,00. R$ 32,00 por mês com refrigerante.
Temos aqui, um total de R$ 312,00. 

Estou falando para você nunca mais comer fora ou pedir pizza ou ir ao cinema? Lógico que não!
Mas quando dizemos que não temos dinheiro precisamos ser sinceros conosco e procurar onde ele tem ido que não nos possibilita fazer outras coisas que dizemos que queremos.

Conheço muita gente que diz que gostaria de fazer um curso de inglês, mas não tem dinheiro.
Também vejo pessoas que falam que gostariam de começar a ir à academia, mas não têm dinheiro também.
Outras não entram na faculdade porque é muito caro.
E a lista não tem fim.

Quando falo em economia burra boba estou me referindo exatamente a isto: deixar de fazer coisas que vão nos trazer benefícios a longo prazo, mas jogamos nosso dinheiro no ralo, por vícios de consumo.

Você pode pesquisar escolas com descontos ou mais baratas, pode fugir das grandes marcas e escolher lugares com boas referências, pode fazer academia nestas econômicas que estão lançando, com preços bem abaixo do mercado, e assim por diante.

Não ter dinheiro nem sempre é a verdade a respeito de não fazermos o que precisamos. Pode ser uma desculpa para não admitir a má gestão do seu dimdim.

O que você me diz?

Faça uma conta a respeito dos seus gastos apenas de fim de semana. Coloque na ponta da lápis todos o investimentos em você que fala que gostaria de fazer mas não tem dinheiro: cursos, academia, livros, etc.
Será que realmente te falta dinheiro?

Pense nisto. 

 

Finanças Pessoais

Semana Nacional de Educação Financeira

Resultado de imagem para educação financeira

Tenho uma dica muito legal que descobri ontem, através do canal Me Poupe!

Se você quer saber mais sobre finanças pessoais, assistir palestras e cursos online e/ou presenciais DE GRAÇA, aproveite esta Semana Nacional de Educação Financeira!
Como as que mais me interessam são durante à tarde e estou trabalhando, me inscrevi em várias palestras online!

Entre neste site aqui: http://www.semanaenef.gov.br/

enef.png

Clique em “agenda” e veja os cursos e palestras disponíveis DE GRAÇA pelo Brasil inteiro!!
Seja rápido porque são vagas limitadas, então você não pode perder esta oportunidade!

Agora o mais legal é que além disto, hoje… eu disse HOJE será dada a abertura de mais uma campanha para quitar suas dívidas diretamente com as instituições, conseguindo prazos maiores e descontos melhores.
Então se você está devendo, entre neste site aqui:

https://www.consumidor.gov.br/pages/principal/?1494269687427

consumidor.png

Aqui você consegue pesquisar a empresa, fazer sua reclamação e deixar seu pedido.
Também se já tentou contato com a instituição você consegue anexar seus documentos e escrever os números de protocolo.
Mas se quiser ir direto no lugar entre e se cadastre porque as vagas são limitadas:
É um evento promovido pelo IDEC, das 11h às 12h, atendimento e orientação sobre renegociação de dívidas.

Para mais informações, acesse:

http://www.semanaenef.gov.br
http://www.cidadaniafinanceira.bcb.gov.br
http://www.aefbrasil.org.br
http://www.vidaedinheiro.gov.br

Finanças Pessoais

As falsas economias.

Resultado de imagem para dinheiro voando

Em tempos de crise promoções nos atraem e nos dá a sensação de que estamos economizando.
O mercado sabendo também que a situação não está muito fácil nos ajuda com alguns “descontos”, mas devemos nos lembrar que o objetivo deles é vender e não necessariamente nos ajudar.
Eles querem ver as prateleiras vazias, e você pode confundir as ofertas com economia.

Conheça aqui algumas falsas economias para não cair mais nelas:

Embalagem econômica
Comprar embalagens grandes pode ser algo muito interessante. Geralmente estes produtos são mais baratos do que se comprássemos dois do mesmo produtos, só que em embalagem menor.
Só que dependendo do tipo de produto isto pode ser uma pegadinha.
Em casos de produtos usados sempre, como produtos de limpeza, vale a pena. É importante que os produtos rendam, até porque são produtos caros.
Só que, um outro exemplo, xampu/ condicionador não são bons produtos para comprarmos em embalagens econômicas porque acabamos enjoando, compramos vários outros, nosso banheiro fica cheio de embalagens ocupando espaço, depois de um tempo nem lembramos que determinado produto está ali, gasta-se tempo na hora da limpeza e o produto é tão grande que nunca conseguimos acabar com ele.
Então compre as embalagens convencionais, que são do tamanho que você precisa, vai acabar logo, você poderia depois escolher o mesmo produto, se gostou, e se não gostou, poderá comprar outra marca ou fragrância.

Pague menos em maior quantidade
Geralmente estas ofertas estão nos supermercados.
Se você compra acima de 3 produtos, os próximos saem mais barato.
Isto entra quase que na mesma linha do tema anterior. Nem sempre precisamos ou iremos usar todos aqueles produtos, às vezes a validade está bem apertada, não dará tempo de usar tudo.
Você gasta dinheiro que não tem só para ‘aproveitar’ o preço mais barato de produtos que você nem precisa ou nem vai lembrar que estão lá. Ou seja, não vale a pena.

“Compras para o futuro”
Este tópico é bem interessante e acredito que várias pessoas vão se identificar.
A pessoa está passeando em um shopping e vê que um tênis está em promoção. A pessoa já tem tênis e nem tinha sentido necessidade de comprar outro. Porém o fato de ver a plaquinha com um preço mais interessante faz com que a pessoa compre “em caso de precisar de outro no futuro”. “Vai que o outro tênis rasga”, “Vai que você enjoa”, “Pensando bem, você estava querendo outro”, e assim por diante.
Outro exemplo é comprar peças de roupas que nem fazem parte sua rotina, só porque “um dia pode aparecer uma festa e você não vai ter o que usar”.
A festa nunca aparece, você fica com a peça parada no guarda roupa, o dinheiro foi gasto (mesmo em promoção), você poderia ter usado para outra coisa ou simplesmente guardado.
Se não tem nenhum evento ou nenhuma necessidade, não compre!

Uber em pequenas distâncias
O uber tornou o serviço de transporte “de conforto” mais comum.
Hoje qualquer um pode ir a qualquer lugar pagando menos que em táxi. Isto é excelente!
Porém, a preguiça generalizou e as pessoas acessam o serviço sem uma real necessidade. Simplesmente par não dar dez passos.
Mas, Joyce, são só R$6,00!
E eu te digo: São R$6,00 que não precisariam ser gastos. Que você poderia economizar para fazer outra coisa.
É um dinheiro que só valorizou sua preguiça, você perdeu a oportunidade de dar uma caminhada tranquila e rápida e gastou sem uma real necessidade.
Aproveite este tipo de transporte somente para distâncias ou ocasiões que realmente valham a pena, como por exemplo, dias chuvosos, eventos importantes, distâncias longas ou lugares de difícil acesso via transporte público.

Tenho certeza que você consegue se enxergar em uma destas situações e até deve ter se lembrado de outras.

A proposta é que você avalie seus gastos e economize com consciência.
Muita gente cai nesta cilada dos preços baixos e jogam dinheiro fora.
Não se engane com falsas economias! 😉

Finanças Pessoais

Dica valiosa para construir sua riqueza.

Resultado de imagem para planejamento financeiro

Quem quer ter muito dinheiro?
Quem sonha com a casa na praia, o helicóptero, a cobertura?
É muito bom pensar em uma época em que não precisará ficar cortando tantos gastos e que poderá gastar um pouco mais e ter algum conforto, não é mesmo?
Eu acho super justo!

Eu parei para pensar nisto há alguns dias atrás e, por mais que, lá no meu subconsciente eu já tivesse esta resposta, a “chave virou” e eu me dei conta de que posso alcançar esta riqueza que tanto sonho.

Sabe qual o segredo? A dica valiosa? Pense em longo prazo.

Nós somos muito imediatistas. Por ganharmos mensalmente, pensamos mensalmente.
Planejamos as compras do mês ou da semana. Queremos viajar no fim do mês, planejamos as férias em cima da hora. E, quando juntamos dinheiro, no máximo, é pensando no fim do ano.

É difícil para nós pensarmos em construir riqueza para daqui a alguns anos, porque como não vemos “a riqueza” em si, na nossa mente ela nunca vai existir. Então é melhor viver o hoje porque vai que amanhã eu nem esteja vivo…

… mas, e se estiver?
E se você viver até os 120 anos? Vai trabalhar até lá?
Não estou falando em relação à sua saúde, estou falando em relação a qualidade de vida e realização.Você quer passar toda a sua vida trabalhando por necessidade e não por opção/ prazer?

Eu quero me aposentar mais cedo, quero viajar para alguns lugares, quero ter uma vida confortável, quero não me preocupar com o salário que vai cair na conta, quero não estar presa à uma empresa, quero poder ter poder de escolha em relação à gestão do meu tempo.

Tudo isto só vai acontecer se eu começar a tomar atitudes importantes hoje!

  1. O que quero conquistar?
  2. Quando quero ter conquistado?
  3. Quanto posso – ou devo – juntar mensalmente?
  4. Onde posso investir?
  5. Quem pode me fornecer informações mais aprofundadas em relação a investimentos de longo prazo?

Planeje para este mês, planeje para este ano, mas planeje também para daqui a cinco anos, dez anos, quinze anos.

  1. Você quer alcançar sua independências financeira?
  2. Com quantos anos?
  3. Quantos anos faltam?
  4. Quanto quer receber quando chegar este período?
  5. Quanto precisa juntar para que isso aconteça?
  6. Qual o melhor tipo de investimento?

O termo independência financeira parece que está atrelado a pessoas ricas apenas, mas não! Ele pode ser real na sua vida se você levá-lo para sua rotina. Se fizer parte do seu planejamento financeiro.
Traga-o pra pertinho que logo se surpreenderá com o quanto conseguiu juntar no passar dos anos.

Quer conquistar sua riqueza? Então lembre-se que conquista não é presente, é mérito de quem age!
Comece hoje mesmo! 😉

Finanças Pessoais

Ah se eu tivesse poupado desde jovem…

cover_s0
Fonte

Ouvi esta frase recentemente e me lembrei de quando também pensei nisso.
Comecei a trabalhar com 16/17 anos. Na época eu morava com a minha mãe e ganhava cerca de R$650,00. Com este valor eu ajudava em casa com a conta de luz (R$100,00), TV a cabo (R$75,00 – como era barato, né?!) e pagava meu curso de Técnico em Hotelaria (+-R$300,00). O que sobrava eu “gastava em bala”. rsrs

Minha mãe sempre foi muito preocupada e muito consciente financeiramente falando. Ela sempre nos sustentou e fez de tudo para que tivéssemos tudo do bom e do melhor.
Sempre nos mostrava a importância do dinheiro.

Tivemos ótimas oportunidades na nossa vida porque minha mãe correu atrás e ela sempre nos incentivou a corrermos atrás dos nossos próprios sonhos através do esforço e de muito estudo. Ela sempre nos incentivou a estudarmos, lermos e aprendermos.

De lá pra cá trabalhei em 5 empresas e já cheguei a pensar nisso: “Ah, se eu tivesse guardado dinheiro desde meu primeiro emprego, pensando em longo prazo…”
Acontece que quando somos mais novos, acabamos pensando só no hoje e não entendemos porque devemos guardar se nem sabemos se estaremos vivos até tantos anos mais, não é mesmo?

É importante se arrepender porque é sinal que entendemos nosso erro e estamos dispostos a mudar de atitude. Mas já foi. Agora é olhar pra frente!

Muita gente me fala que não consegue juntar nada, mas a questão principal é que se de todos os seus gastos você não consegue separar é só pensar em deixar de gastar. E se você não consegue deixar de gastar, nem por uma preocupação sua, com seu futuro ou com seus sonhos, então – não encare como uma bronca, só um leve puxão de orelhas – não tem o que eu possa fazer por você.

Eu ainda não entendo muito bem sobre investimento, mas pelo visto o tesouro direto está na moda. Existem canais que explicam muito bem. Melhor do que eu explicaria. O canal Me Poupe! é um.
Descubra qual perfil de investimento se aplica à sua necessidade e comece!

Você pode começar com R$30,00 mensais no mínimo (no tesouro direto) ou se você tem uma quantia maior, pode deixar rendendo por “X” anos.

Existem várias possibilidades!
Juro que estou tentando entender melhor pra poder gravar uns vídeos sobre isto, assim que me sentir segura falo com vocês no canal! (Já aproveite e se inscreva!)

Fiz um vídeo muito bacana onde faço um desafio financeiro com regrinhas completamente possíveis. Assista!

Lembre sempre que poupar exige esforço, foco e disciplin

Finanças Pessoais, Youtube

3 Vídeos com dicas sobre Finanças Pessoais.

finanças-pessoais-site.jpg
Fonte

Eu gosto muito de pesquisar sobre Finanças pessoais. Vocês sabem que não sou especialista no assunto e que o que compartilho com vocês são dicas de acordo com o que já ouvi ou vivi. Então pesquiso sempre para poder aprender coisas novas e também para me animar a manter o foco e continuar cuidando com carinho da minha vida financeira.

Então hoje resolvi compartilhar com vocês alguns vídeos sobre o assunto.

O primeiro é de uma especialista no assunto, que tenho certeza que vocês já conhecem. Mas quero destacar este vídeo para aqueles que têm algumas dúvidas sobre o tesouro direto.

Me poupe – Nathalia Arcuri

 

O próximo não é de um canal de finanças, mas o vídeo especificamente é e fala de um livro que comecei a ler e parei (vergonhaaaa). Bem, as dicas são interessantes e gosto quando a pessoa compartilha experiências de vida porque ajudam a tornar o assunto mais próximo.

Chata de Galocha – Lu Ferreira

 

O último, mas não menos importante é de um canal que segui há muito tempo atrás, mas com o tempo perdi o contato. Ela fala bastante sobre finanças focadas para quem quer morar sozinho ou já mora. Este é um vídeo curto, mas esclarecedor.

Morando sozinha – Fran guarnieri

 

E aí? Gostou dos vídeos?
E se quiser, dê uma olha nos canais para conhecer melhor. Quem sabe não gosta de outros conteúdos também!

Boa semana! 😉

Finanças Pessoais, Produtividade

Tempo não é dinheiro.

tempo-dinheiro-mito
Fonte

Você não leu errado!
Eu realmente escrevi que tempo NÃO é dinheiro.

Ao contrário do que nós falamos e ouvimos, descobri há poucas semanas que tempo não é dinheiro.
Participei de um workshop online com Christian Barbosa e Gustavo Cerbasi e o Gustavo disse esta frase que, na hora, não fez muito sentido. Agora, depois de analisar e também de pesquisar, percebi que realmente são coisas diferentes.

Se você faz um mau gasto ou um mau investimento do seu dinheiro, não consegue recuperar aquele valor em si, mas consegue trabalhar e correr atrás para recuperar o prejuízo.
Mas, se você gasta o seu tempo de forma errada, não há nada que você possa fazer. Perdeu aquele tempo e terá que gastar mais para conseguir fazer outras coisas.
Vai precisar tirar o tempo de outra tarefa, para fazer aquela que deveria ter sido sua prioridade.

Pensando assim, tempo é uma moeda, assim como o dinheiro, e quando somadas, dão um novo sentido à palavra riqueza.

Desperdiçar dinheiro não é só comprar itens supérfluos e desperdiçar tempo não é só aquelas horas na internet sem um propósito.

Desperdiçar dinheiro é quando você investe em coisas que sabe que vão dar errado ou que não é o que vai te fazer feliz. Desperdiçar tempo é quando você faz um curso errado, quando você fica tanto tempo no trabalho, que não dá atenção aos seus amigos e família.

O tempo e o dinheiro devem ser utilizados para colecionar boas experiências.
Como eu sempre falo pra vocês, tenham bons momentos para se lembrarem.
Usem com sabedoria todo o tempo que recebem nesta vida e todo o dinheiro que chega em suas mãos.
Mas, o mais importante: É possível ser feliz com menos dinheiro e mais tempo. Mas o contrário, já não posso afirmar.
O tempo nos possibilita aproveitar as pessoas e os momentos com mais intensidade, sem a necessidade de ter algo para oferecer. Já o dinheiro, estando tendo mais importância que a devida, pode nos tirar o foco.

Perceba que o tempo em si, já é um belo presente para oferecer.

Já havia pensando nisso?

Um abraço.

Finanças Pessoais, Reflexões

Histórias pra contar: Glaucia e a compra da casa própria.

Hoje é o primeiro post oficial desta série de “Histórias pra contar”.

Eu apresentei pra vocês na semana passada o que será tratado, se você ainda não leu, dá uma olhadinha neste link.

Hoje vamos começar com minha amiga de trabalho, Glaucia. Ela é uma garota que admiro muito! Se vocês acham que eu penso em economizar e finanças…é porque vocês não conheceram ela! Ela é “A” moça das finanças!!! rs
E não é à toa que, hoje, ela alcançou um grande sonho de quando era mais nova: comprou sua casa própria!

Quer aprender um pouco e conhecer a história dela? Então continue lendo!

_20160312_095012.JPG

 

Meu nome é Glaucia Damasceno, tenho 31 anos , moro com meus pais em São Paulo
e trabalho como Analista de Departamento Pessoal.
O motivo que me fez te convidar para participar deste quadro foi a compra da sua casa própria. Conte um pouco da etapa anterior. Há quanto tempo você pensava em ter sua própria casa?

Eu sempre morei de aluguel, pois infelizmente meus pais ainda não puderam comprar um imóvel, então sempre acompanhei a luta deles de trabalhar, pagar aluguel e tentar dar o melhor pra mim e para meu irmão, mesmo com toda dificuldade financeira.
Diante de inúmeras e cansativas mudanças de/ casa foi criança que eu comecei apensar: “Quando eu começar a trabalhar, vou comprar a minha casa”.

O que você começou a fazer para conseguir, de fato, comprar?

Com o objetivo em mente mesmo antes de começar a trabalhar, ao arrumar meu primeiro emprego como atendente no Shopping eu dei início ao meu investimento. Abri uma conta poupança e comecei a fazer depósitos regularmente, apesar de ganhar pouco, eu sempre fui organizada com meus gastos e conseguia administrar bem meu dinheiro.
Fiquei 2 anos trabalhando no Shopping e depois disso fui mudando de emprego e consequentemente ganhando mais.Doze anos se passaram, e eu consegui juntar uma quantia até considerável para dar entrada no meu imóvel

Quais foram suas maiores dificuldades e o que fez para lidar com elas?
Minha maior dificuldade sempre foi financiar o imóvel sozinha, sempre que eu fazia
simulações de financiamento minha renda não era suficiente e nunca aprovava. Ou eu
comprava um imóvel muito barato em lugares de difícil acesso ou teria que dar uma
entrada exorbitante. Isso me chateava muito e cheguei até a desanimar uma época, pois
eu não tinha tanto dinheiro assim pra dar de entrada.
Mesmo na fase desanimada, eu nunca deixei de administrar meu dinheiro, então
comecei a direcionar meu pensamento no fato de que minha hora ainda não tinha
chegado e que eu teria apenas que ter paciência, juntar mais dinheiro e esperar mais um
pouco, sem desespero.
Foi então que conheci um empreendimento do programa HIS (Habitação de
Interesse Social). Nesse programa, famílias de baixa renda tem a oportunidade de adquirir um imóvel com mais “facilidade”.
Fui ver o empreendimento, me enquadrei no perfil do programa e minha renda aprovou. A partir daí tive que lidar com outras dificuldades que surgiram: A dúvida e a insegurança.
Minha cabeça então foi a mil: “Será que é esse mesmo o meu imóvel?”, “Comprar na
planta é muito arriscado?”, “Será que vai dar certo?”, “E se eu perder tudo?”, “Será que a Caixa vai aprovar meu financiamento mesmo?”, “Será que eu consigo pagar?”.
Enfim, mil dúvidas e uma grande dose de medo. Nessa hora é que a família e os amigos nos ajudam a ter coragem e força. Meus pais me apoiaram, meus amigos mais próximos me aconselharam, me deram força pra seguir e a minha decisão foi finalmente tomada. Pensei, “A hora é agora e essa vai ser a minha primeira casa própria”.
O que você sentiu quando viu que, finalmente, conseguiu alcançar seu objetivo?
Primeiro senti medo, medo de não dar conta disso sozinha, mas depois que tomei minha
decisão e assinei contrato, senti um alívio muito grande, um sentimento de vitória e
orgulho. Orgulho de olhar pra trás ver minha trajetória e pensar “Deus, finalmente eu
consegui. Obrigada!”
Qual conselho você daria para alguém que também quer comprar sua casa própria,
mas não sabe como?
Meu conselho é: tenha fé, acredite que é possível e trabalhe sempre em prol do seu
objetivo.
 Eu continuo correndo atrás do meu objetivo, passei por duas grandes fases: planejamento financeiro e aquisição do imóvel, mas ainda não acabou. Financiei meu imóvel em 30 anos e meu próximo passo é pagar todo o período de obras e depois quitar a dívida em, no máximo, 10 anos. Ainda tenho muito trabalho pela frente e não é hora de desistir.
E você? Se identifica com a história da Glaucia?
Tem o mesmo sonho?
O que te impede de conseguir?
Gostou da história dela?
Escreva aqui nos comentários! 😉