Mais, Reflexões

Histórias pra contar: Rísia, minha mãe. Criar os filhos sozinha e bem, é possível.

maeMeu nome é Rísia Maria, tenho 64 anos, tenho 3 filhas e estou viúva há 27 anos

 

Escolhi a senhora para este mês por ser o “mês dos pais”, para isto, conte um pouco sobre antes disto. A senhora sempre se imaginou tendo filhos? Era um sonho ou simplesmente aconteceu?

Sempre estive rodeada de crianças: meus sobrinhos (fui tia aos 12 anos), as crianças da vizinhança e ainda solteira fui diretora de um Lar de meninos. Meu pensamento era que se não casasse até completar 30 anos, adotaria uma criança.

Logo que ficou viúva, quais foram as primeiras preocupações que vieram à sua mente?

Casei em setembro de 1979, tive 3 filhas. Meu marido e eu estruturamos nossas vidas e nossos horários de trabalho de modo que na ausência de um o outro estaria presente e cuidaria de nossas preciosas meninas. Em fevereiro de 1989, meu mundo desabou com a partida do meu marido. Empenhei-me em não permitir que o mundo de minhas filhas também desabasse e minimizar tanto quanto fosse possível o sofrimento delas.

Por que a senhora não se casou novamente?

Se passou pela minha vida alguém que valesse a pena, não vi. Por isso não me casei.

Ser mãe solteira/viúva não é fácil, quais foram/são os maiores desafios?

Foram muitas as dificuldades: desde a falta de alguém  para “trocar ideias”, dividir responsabilidade e compartilhar alegrias e tristezas; até ter que fazer trabalhos e tratar de assuntos que considero masculinos e me desgastaram emocionalmente.

O que é ser mãe? Como é ser mãe da Mônica, da Elaine e da Joyce?

Ser mãe é ter o coração nos olhos quando o filho (a) está diante de ti, é ter o coração na boca quando pronuncia a palavra filha(o), é ter nos filhos seu calcanhar de Aquiles, é a todo momento entregar nas mãos de Deus, em oração, o filho que não cabe mais em seus braços, ou que suas mãos não alcançam.
Ser mãe da Mônica, Elaine e Joyce é a razão da minha vida.

Hoje em dia, muitas mulheres não querem mais ter filhos por causa do mundo que estamos vivendo. O que a senhora acha sobre isto?

Vivemos numa geração que tem muito conhecimento e pouca maturidade, onde o homem tem abandonado Deus e criado para si deuses semelhantes a si. Ao abandonarem Deus jogam fora seus princípios para a família e a vida em sociedade  fazendo desta aldeia global um lugar de violência, promiscuidade e famílias destruídas ou mal construídas, contudo se nos voltarmos para Deus e para a sua Palavra encontraremos abrigo, direção, sabedoria  e toda a provisão que precisamos para vivermos como luz num mundo em trevas e encaminharmos nossos filhos.

Quais as dicas ou conselhos que você pode dar para as mães solteiras jovens, aquelas que ainda estão grávidas e tem este novo desafio?

Recebi dos meus pais a mais valiosa herança: o ensinamento da Palavra de Deus. Conheci, assim, Jesus, o mediador entre Deus e os homens. Aprendi que ser cristão é um modo de vida e não uma religiosidade sem vida. NEle encontrei tudo que precisei para chegar até aqui. NEle há provisão para vocês também.

Bom, esta é minha homenagem às mulheres que assumem o papel de pai e de mãe e que dão duro para garantir uma boa criação para seus filhos!
Minha mãe é a pessoa que mais admiro no mundo e sempre espero que ela tenha orgulho de mim!

Ah! Já contei pra vocês, mas vale a pena reforçar: Minha mãe tem uma página no face. Se chama Tecendo Arte. Clique e se inscreva! (Aproveitem e falem boas coisas de mim hahaha)

IMG_1641
Elaine, Joyce, Risia e Mônica – Família Costa Coelho.

Espero que tenham gostado!
Curtam este post e compartilhem! 😉

Anúncios

7 thoughts on “Histórias pra contar: Rísia, minha mãe. Criar os filhos sozinha e bem, é possível.”

  1. Amei esse post!
    Como sua mãe é sábia!
    Belo exemplo a ser seguido!
    A resposta da segunda pergunta, deve ser impressa e lida todos os dias!
    Obrigada por compartilhar tanta sabedoria conosco!
    Grande beijo pra você e para sua mãe.

    Gostar

  2. Da penúltima pergunta!

    “Vivemos numa geração que tem muito conhecimento e pouca maturidade, onde o homem tem abandonado Deus e criado para si deuses semelhantes a si. Ao abandonarem Deus jogam fora seus princípios para a família e a vida em sociedade fazendo desta aldeia global um lugar de violência, promiscuidade e famílias destruídas ou mal construídas, contudo se nos voltarmos para Deus e para a sua Palavra encontraremos abrigo, direção, sabedoria e toda a provisão que precisamos para vivermos como luz num mundo em trevas e encaminharmos nossos filhos.”

    Gostar

  3. Ah! Joyce. Que lindo! Adoro mães que criam filhos sem vergonha de assumirem que são cristãs. Amei a parte de entregar os filhos pra Deus QUANDO ELES NÃO CABEM MAIS NOS BRAÇOS. Minha irmã também se chama ELAINE. Linda família. Parabéns.

    Gostar

  4. A paz do Senhor Jesus minha filhinha do coração. Amei muitíssimo a entrevista que fizeste com a sua mãe. Ela é a nossa missionária preferida e Deus a usou de uma forma muito especial para abençoar as nossas vidas, pois até hoje estamos colhendo os frutos da passagem dela em nossas vidas. Amarmos todas vocês e sentimos muitas saudades; Deus vos abençoe grandemente em Cristo Jesus nosso Senhor.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s